app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5754
Internacional

Explos�o de carro-bomba deixa 14 mortos e 40 feridos em Israel

Tel Aviv – Pelo menos 14 pessoas morreram e mais de 40 ficaram feridas quando um carro-bomba explodiu ao lado de um ônibus israelense da companhia Egged, às 16h23 (horário local). O ataque ocorreu próximo à cidade costeira de Hadera, onde já ocorreram

Por | Edição do dia 22/10/2002 - Matéria atualizada em 22/10/2002 às 00h00

Tel Aviv – Pelo menos 14 pessoas morreram e mais de 40 ficaram feridas quando um carro-bomba explodiu ao lado de um ônibus israelense da companhia Egged, às 16h23 (horário local). O ataque ocorreu próximo à cidade costeira de Hadera, onde já ocorreram outros atentados terroristas. Uma mulher que estava em estado crítico morreu horas após o ataque, informou o jornal “Haaretz”. Há ainda outro cinco feridos em estado grave. O grupo palestino Jihad islâmico assumiu a autoria da ação. Segundo a polícia, no carro havia mais de 100 kg de explosivos. Há informações não confirmadas de que no carro-bomba havia dois suicidas palestinos, segundo a rede de TV CNN. O ônibus ficou em chamas. Foram enviadas 16 ambulâncias ao local para atender as vítimas. A explosão ocorreu próximo à cidade de Pardes Hannah, a cerca de 10 km da linha verde que demarca a separação entre Israel e a Cisjordânia. “Eu estava a 60 metros da estação de ônibus e ouvi uma explosão. O ônibus estava completamente destruído. Eu o vi ser consumido pelas chamas”, afirmou uma testemunha à rádio. O ataque ocorreu a nordeste de Hadera, no caminho de Afula, onde vários outros atentados palestinos já foram realizados. O último atentado suicida em território israelense ocorreu no dia 10 de outubro em Tel Aviv. A explosão matou uma mulher, além do terrorista. A Casa Branca condenou o atentado. “Washington insiste na busca por paz e rejeita qualquer ato de violência”, declarou o porta-voz Ari Fleischer. Já o presidente da Autoridade Nacional Palestina (ANP), Iasser Arafat, afirmou que se opõe a “crimes contra civis, de ambos os lados”, segundo seu conselheiro, Nabil Abu Rudeina.

Mais matérias
desta edição