app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Internacional

Mundo

ACIDENTE DEIXA 16 MORTOS NO EQUADOR Quito – Um acidente com uma caminhonete e um caminhão deixou 16 mortos e um ferido, ontem, em uma rodovia nos arredores de Guayaquil, cidade que abriga o principal porto do Equador. De acordo com as autoridades, o cami

Por | Edição do dia 01/11/2002 - Matéria atualizada em 01/11/2002 às 00h00

ACIDENTE DEIXA 16 MORTOS NO EQUADOR Quito – Um acidente com uma caminhonete e um caminhão deixou 16 mortos e um ferido, ontem, em uma rodovia nos arredores de Guayaquil, cidade que abriga o principal porto do Equador. De acordo com as autoridades, o caminhão bateu violentamente na traseira da caminhonete, na qual viajavam 17 pessoas. A causa do acidente não estava clara, mas a Cruz Vermelha disse que o motorista do caminhão poderia estar dirigindo embriagado. COQUELUCHE Cabul – A Organização Mundial da Saúde confirmou,  ontem, que dezenas de crianças afegãs morreram vítimas de  um provável surto de coqueluche em uma Província na região nordeste do país. A porta-voz da OMS, Loretta Hieber Girardet, afirmou que 61 crianças morreram em sete vilarejos em um período de quatro semanas na área de Darwaz, na Província remota de Badakhshan. A falta de vacinação é a responsável pelo surto. BOMBA Nova Déli – Os 178 passageiros a bordo de um avião  da Air India com destino a  Hong Kong foram retirados  da aeronave, no aeroporto de  Nova Déli, depois de uma  ameaça de bomba por telefone, que mais tarde foi identificada como um trote. Um porta-voz da Air India disse que a ligação com a ameaça foi recebida pelas autoridades da imigração de Hong Kong que passou a informação à companhia aérea. SHARON RECORRE À EXTREMA DIREITA Jerusalém – O primeiro-ministro israelense, Ariel Sharon, tentará formar um novo gabinete, com a ajuda da extrema-direita, para impedir a convocação de eleições antecipadas, depois da renúncia de  todos os ministros trabalhistas do governo de união nacional. Até o  momento, Sharon conseguiu a participação do ex-chefe do Estado-maior, o general Shaul Mofaz, que aceitou a pasta da Defesa. O general, considerado um “falcão”, substituiria Binyamin Ben Eliezer.

Mais matérias
desta edição