app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5754
Internacional

Comemora��es de Natal est�o suspensas na cidade de Bel�m

Belém – O presidente da Autoridade Nacional Palestina, Iasser Arafat, anunciou ontem a suspensão das comemorações do Natal na cidade de Belém, declarada terça-feira “zona militar fechada” pelo Exército de Israel até o final de dezembro. “O fechamento

Por | Edição do dia 28/11/2002 - Matéria atualizada em 28/11/2002 às 00h00

Belém – O presidente da Autoridade Nacional Palestina, Iasser Arafat, anunciou ontem a suspensão das comemorações do Natal na cidade de Belém, declarada terça-feira “zona militar fechada” pelo Exército de Israel até o final de dezembro. “O fechamento de Belém  representa um agravamento da violência. Não haveria festas natalinas”, disse, reafirmando que a reocupação da cidade representa um “crime internacional diante do qual o mundo permanece em silêncio”. No ano passado, por imposição do governo israelense – que manteve Arafat confinado em Ramallah –, o líder palestino foi impedido de participar da Missa do Galo em Belém, no dia 24 de dezembro. O vice-governador de Belém, Munir Salami, confirmou ontem que as celebrações de Natal na cidade foram anuladas, mas disse que a missa da meia-noite do dia 24 de dezembro irá acontecer normalmente na basílica da Natividade, construída em um local onde acredita-se ter nascido Jesus Cristo, segundo a tradição cristã Pressão A Autoridade Nacional Palestina entrou na disputa com israelenses ontem para pressionar os mediadores do Oriente Médio liderados pelos Estados Unidos a anunciarem um plano de paz antes das eleições em Israel em janeiro de 2003. O negociador palestino Nabil Shaath acusou o primeiro-ministro de Israel, Ariel Sharon, de tentar evitar um encontro com o “quarteto” (EUA, União Européia, ONU e Rússia) de mediadores em Washington no dia 20 de dezembro, e de não levar ao público qualquer proposta de paz entre israelenses e palestinos. Falando após conversas com o secretário de Estado norte-americano, Colin Powell, ele também reclamou sobre o pedido de Sharon por uma ajuda norte-americana extra de US$4 bilhões “quando ele está conduzindo uma guerra de exterminação e fome contra o povo palestino”. Uma delegação israelense fez o pedido à Casa Branca na segunda-feira (25) e o chefe da equipe israelense, Moshe Ya’alon irá ver Powell na noite de ontem.

Mais matérias
desta edição