app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Internacional

Mundo

ENCHENTES MATAM 63 NO MARROCOS Rabat – Enchentes que atingiram várias partes do Marrocos mataram ao menos 63 pessoas e deixaram outras 26 desaparecidas, informou, ontem, o ministro das Comunicações Nabil Benabdellah. “Cerca de 24 propriedades rurais fora

Por | Edição do dia 30/11/2002 - Matéria atualizada em 30/11/2002 às 00h00

ENCHENTES MATAM 63 NO MARROCOS Rabat – Enchentes que atingiram várias partes do Marrocos mataram ao menos 63 pessoas e deixaram outras 26 desaparecidas, informou, ontem, o ministro das Comunicações Nabil Benabdellah. “Cerca de 24 propriedades rurais foram totalmente  destruídas e outras 1.334 casas sofreram danos”, ele falou a jornalistas. Fortes chuvas nas últimas duas semanas causaram transbordamento de rios em Gharb e Chaouia, duas ricas regiões agrícolas no oeste do Marrocos. Na última segunda-feira, as fortes chuvas também provocaram um incêndio na maior refinaria de petróleo do Marrocos, operada pela Samir, na cidade costeira de Mohammedia. Dois funcionários foram mortos no incêndio. ENGAVETAMENTO Ancara – Um acidente envolvendo 24 veículos, entre eles  três ônibus de viagem e 21 carros e caminhões, causou, ontem, a morte de pelo menos dez pessoas e deixou cerca de cem feridos. Os restos dos veículos envolvidos no acidente paralisaram uma das estradas da capital, Ancara. Equipes de resgate cortam carros em pedaços para poder tirar as vítimas. A polícia disse que o acidente foi causado porque os motoristas foram irresponsáveis, abusando de velocidade e manobras arriscadas, como ultrapassagem, quando havia pouca visibilidade na pista. CESSAR-FOGO Bogotá – A maior força paramilitar de extrema direita da  Colômbia, AUC (Autodefesas  Unidas da Colômbia), disse, ontem, que fará um cessar-fogo  unilateral a partir de 1º de dezembro na esperança de iniciar  negociações de paz com o governo do presidente Álvaro Uribe. “Numa demonstração explícita de nosso desejo permanente de chegar à paz no país, as AUC tomaram a decisão histórica de declarar um cessar-fogo unilateral em todo o território”, afirmou a milícia, que luta contra os rebeldes de esquerda numa guerra que já dura 38 anos.

Mais matérias
desta edição