app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Internacional

Mundo

HOSPITAL GUARDA CORAÇÕES DE FETOS Auckland – Um escândalo explodiu, ontem, em um hospital de Auckland, depois da divulgação de que o estabelecimento conservava mais de 1.300 corações humanos, a maioria deles de crianças ou de fetos, sem que os pais tives

Por | Edição do dia 02/03/2002 - Matéria atualizada em 02/03/2002 às 00h00

HOSPITAL GUARDA CORAÇÕES DE FETOS Auckland – Um escândalo explodiu, ontem, em um hospital de Auckland, depois da divulgação de que o estabelecimento conservava mais de 1.300 corações humanos, a maioria deles de crianças ou de fetos, sem que os pais tivessem sido informados.  Muitos dos órgãos, guardados há 50 anos, procedem de fetos abortados. Os corações eram conservados para servir ao ensino da medicina. O Green Lane Hospital declarou que seus funcionários estão mobilizados para responder aos pedidos das famílias e afirmou que, se for o caso, vai devolver os órgãos. JULGAMENTO Haia – A primeira testemunha que conta com proteção das  autoridades depôs, ontem, no  julgamento do ex-presidente iugoslavo Slobodan Milosevic, 60.  O Tribunal Criminal Internacional para a ex-Iugoslávia realizou uma sessão fechada a fim de garantir a segurança da décima testemunha a comparecer diante da corte, a maior para crimes de guerra desde o julgamento dos nazistas após a II Guerra Mundial (1939-1945). A promotoria pediu para que a identidade da vítima fosse mantida em segredo. GOVERNO SECRETO Washington – O presidente dos EUA, George W. Bush, ordenou após os atentados de 11 de setembro a instalação de um governo paralelo composto por cem pessoas que vivem e trabalham secretamente, por temer um ataque nuclear contra Washington. De acordo com o jornal Washington Post, cem altos funcionários representando os ministérios americanos tiveram de deixar suas famílias e seu trabalho habitual para viver e trabalhar em dois locais secretos na Costa Oeste dos EUA. ISRAEL VOLTA A ATACAR CAMPO PALESTINO Jerusalém – O Exército de Israel voltou a atacar, ontem, dois acampamentos de refugiados palestinos do norte da Cisjordânia,  onde 14 palestinos e um militar israelense morreram e mais de 150  palestinos ficaram feridos numa operação militar. Violentos tiroteios foram registrados, ontem, quando soldados do regimento da infantaria de elite Golani entraram no acampamento de refugiados de Jenin (18 mil habitantes), apoiados por dez tanques. Um helicóptero israelense abriu fogo com metralhadora contra o acampamento, segundo testemunhas.

Mais matérias
desta edição