app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Internacional

V�rus do resfriado pode curar c�ncer de pele, afirma estudo

Sydney (Austrália)- Cientistas australianos descobriram que o vírus de um simples resfriado pode curar o melanoma, uma grave variedade de câncer de pele, anunciou a equipe da Universidade de Newcastle, responsável pelo estudo. “Descobrimos que as células

Por | Edição do dia 08/01/2004 - Matéria atualizada em 08/01/2004 às 00h00

Sydney (Austrália)- Cientistas australianos descobriram que o vírus de um simples resfriado pode curar o melanoma, uma grave variedade de câncer de pele, anunciou a equipe da Universidade de Newcastle, responsável pelo estudo. “Descobrimos que as células do melanoma podem ser destruídas ao serem infectadas com o vírus de um resfriado comum”, disse o professor Darren Shafren, chefe da pesquisa, cujos resultados foram publicados na edição de janeiro da revista da “Associação Norte-Americana de Pesquisa sobre o Câncer”. “Consideramos que se trata de uma descoberta decisiva para o desenvolvimento do tratamento do melanoma, e estamos muito entusiasmados”, acrescentou o cientista. Segundo ele, os resultados obtidos com células humanas e em testes com animais têm sido muito positivos. “Se conseguirmos chegar a resultados similares em testes com humanos, um tratamento poderá ser disponibilizado num prazo de um ou dois anos”, afirmou. Tratamento O processo de tratamento consiste em injetar o vírus do resfriado no local em que se encontra o melanoma. Ao desenvolver-se, o vírus destrói as células cancerosas. Em poucas semanas, o tamanho do melanoma vai diminuindo até desaparecer, explicou Shafren. “Depois, em uma fase secundária, esperamos que o vírus circule no corpo para detectar e destruir outros possíveis melanomas que não puderam ser detectados antes”, conta o cientista. O professor Darren Shafren acredita que o tratamento será testado primeiramente em pacientes em estado terminal. Para ele o tratamento poderia estar disponível em curto prazo, mas é preciso levar em consideração as autorizações necessárias para a distribuição de um novo medicamento. A descoberta representa uma nova esperança para a Austrália, país no qual a incidência de câncer de pele é particularmente alta, e onde a doença causa uma média de mil mortes por ano. “Trata-se de um tratamento com um vírus comum, não com um remédio manufaturado ou com um vírus geneticamente modificado”, destacou o cientista.

Mais matérias
desta edição