app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5716
Internacional

Madrugada violenta deixa 30 palestinos mortos

Militares israelenses e palestinos intensificaram o confronto no campo de refugiados de Jenin, no norte da Cisjordânia, na madrugada desse sábado. Mais de 30 palestinos morreram com a ferocidade do conflito, afirmou o ministro palestino das Comunicações

Por | Edição do dia 07/04/2002 - Matéria atualizada em 07/04/2002 às 00h00

Militares israelenses e palestinos intensificaram o confronto no campo de refugiados de Jenin, no norte da Cisjordânia, na madrugada desse sábado. Mais de 30 palestinos morreram com a ferocidade do conflito, afirmou o ministro palestino das Comunicações, Iasser Abed Rabbo, em declaração à rede de televisão Al Jazeera. Do lado israelense, as IDF (Forças de Defesa de Israel, na sigla em inglês) contabilizam sete soldados mortos em dois dias de trocas de tiros em Jenin. Há muitos feridos nos dois lados. O Exército israelense promete apertar ainda mais o cerco aos palestinos em Jenin, afirmando que matará quem continuar resistindo. A Autoridade Palestina pediu intervenção imediata da comunidade internacional contra o que descreveu como massacre. “Eles (os combatentes palestinos) estão encurralados. Nós os prendemos lá dentro com a intenção de fazer com que se rendam. Os que não se renderem, nós vamos matar”, disse à Rádio Israel o comandante das forças israelenses na área, Tat Aluf Eyal Shlein. Palestinos afirmam que há muitos mortos e feridos dentro do campo de refugiados. “Eu mesmo contei 30 corpos. Há um número enorme de feridos. A comunidade internacional vai ficar chocada com o número de vítimas”, afirmou Abu Irmaila, um combatente palestino. Ele confirmou que as forças israelenses já controlam a maior parte do campo, mas promete que os palestinos não cederão com o ataque. “Enquanto restar um único combatente, não vamos nos render”, afirmou Irmaila. A última explosão de violência na região ocorre um dia após choques que provocaram a morte de 25 palestinos e de três soldados israelenses. Há nove dias as forças israelenses invadiram cidades palestinas da Cisjordânia, numa ofensiva contra os supostos responsáveis por uma série de atentados suicidas que mataram dezenas de judeus. O Exército israelense declarou Jenin uma zona militar fechada e impediu o acesso de jornalistas à área. A ofensiva israelense em áreas palestinas na Cisjordânia pode continuar por pelo menos mais uma semana.

Mais matérias
desta edição