app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Internacional

Oposi��o acusa Bush de distorcer fatos na guerra contra o Iraque

A Casa Branca prometeu ontem rever as informações colhidas antes da guerra sobre as supostas armas de destruição em massa do Iraque. A decisão foi tomada depois que o principal inspetor de armas dos EUA concluiu que o Iraque não tinha armas químicas nem b

Por | Edição do dia 27/01/2004 - Matéria atualizada em 27/01/2004 às 00h00

A Casa Branca prometeu ontem rever as informações colhidas antes da guerra sobre as supostas armas de destruição em massa do Iraque. A decisão foi tomada depois que o principal inspetor de armas dos EUA concluiu que o Iraque não tinha armas químicas nem biológicas, embora elas tenham sido apresentadas como justificativa para o conflito. O porta-voz Scott McClellan disse que a CIA já está trabalhando nisso, mas que o primeiro passo será a conclusão do trabalho do Grupo de Pesquisa no Iraque, responsável pela busca por armas convencionais e não-convencionais. “Queremos comparar as informações de antes da guerra com aquelas que o Grupo de Pesquisa no Iraque descobrir no terreno. A missão deles está em curso”, disse McClellan, ressaltando que, independente de as armas proibidas serem ou não encontradas, o governo continua defendendo a ação militar no Iraque. “A decisão que tomamos foi correta, e o que sabemos hoje só confirma que foi a decisão correta”, disse McClellan, que acompanhou o presidente George W. Bush a uma viagem de um dia a Little Rock, Arkansas. Provocando constrangimentos ao governo, o ex-chefe dos inspetores norte-americanos de armas, David Kay, concluiu que o Iraque não possuía arsenais proibidos, como alegava Bush ao declarar que o regime de Saddam Hussein constituía um perigo mundial. A oposição democrata acusa Bush de ter usado informações falhas - ou mesmo de ter distorcido fatos - para que os programas bélicos iraquianos se tornassem pretexto para a invasão. Agora, o governo aponta a descoberta de valas comuns e outros sinais da brutalidade de Saddam Hussein como uma prova de que seu regime precisava ser derrubado. Prevendo que as eleições presidenciais de novembro gerem acusações dos democratas a respeito da invasão do Iraque, Bush usou parte do seu discurso do Estado da União, na terça-feira passada, para defender vigorosamente a guerra.

Mais matérias
desta edição