app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5716
Internacional

Atentado mata seis israelenses

Jerusalém – Seis pessoas morreram ontem  durante um atentado suicida em uma parada de  ônibus em Jerusalém. O  ataque foi cometido por uma mulher-bomba, que deixou ainda 62 feridos. De acordo com a rádio pública israelense, a explosão aconteceu quando a c

Por | Edição do dia 13/04/2002 - Matéria atualizada em 13/04/2002 às 00h00

Jerusalém – Seis pessoas morreram ontem  durante um atentado suicida em uma parada de  ônibus em Jerusalém. O  ataque foi cometido por uma mulher-bomba, que deixou ainda 62 feridos. De acordo com a rádio pública israelense, a explosão aconteceu quando a camicase se preparava para subir num ônibus na Rua Jaffa, principal via da região oeste de Jerusalém. O incidente ocorreu em frente ao mercado Mahane Yehuda, onde dois homens-bomba deixaram 17 mortos e 170 feridos no dia 30 de julho de 1997. O atentado suicida coincide com a visita do secretário de Estado dos EUA, Colin Powell, a Jerusalém. Após encontrar-se com o primeiro-ministro Ariel Sharon, Powell afirmou que não obteve nenhuma “resposta precisa” do primeiro-ministro de Israel sobre a duração da ofensiva militar israelense na Cisjordânia. Ele afirmou que, durante as conversações com Sharon, pôde conhecer a situação difícil de Israel, reconhecendo que “para chegar a uma solução, as partes devem retomar as negociações”. Em uma entrevista coletiva conjunta, Sharon, que ofereceu as boas-vindas a Powel à “capital dos judeus e do Estado de Israel”, afirmou que “não haverá paz com o terrorismo”. Sharon disse que “espera terminar logo” sua ofensiva contra “as bases terroristas”. A reunião entre Powell e Sharon ocorreu em Jerusalém. Powell chegou na noite de quinta-feira para a difícil missão de acabar com 18 meses de violência entre israelenses e palestinos. O secretário Colin Powell resolveu, à noite, adiar o encontro que teria hoje com o líder palestino, Iasser Arafat, em Ramallah (Cisjordânia). O encontro deve ocorrer no próximo domingo (14). O adiamento se deve ao atentado suicida palestino que matou seis pessoas numa parada de ônibus em Jerusalém.

Mais matérias
desta edição