app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5587
Internacional

DADOS INDICAM QUE AVIÃO NA CHINA FOI DERRUBADO INTENCIONALMENTE

Relatório não apontou causa para esse tipo de queda, o que gerou críticas por parte de especialistas

Por G1 | Edição do dia 18/05/2022 - Matéria atualizada em 18/05/2022 às 04h00

Dados de voo indicam que alguém no cockpit derrubou intencionalmente o jato da China Eastern em março, de acordo com pessoas que tiveram acesso à avaliação preliminar de autoridades dos Estados Unidos sobre o que levou ao acidente. As informações são do “Wall Street Journal”.

O Boeing 737-800 estava viajando em alta altitude quando de repente caiu em uma posição quase vertical, chocando-se contra uma montanha com velocidade extrema. Dados de uma caixa preta recuperada no acidente sugerem que entradas nos controles empurraram o avião para o mergulho fatal, disseram essas pessoas ouvidas pelo “WSJ”

Fontes informaram que o avião estava voando em alta altitude quando inesperadamente caiu em uma espiral e colidiu com o lado de uma montanha. Elas disseram que os dados da caixa preta recuperados do acidente sugerem que alguém no cockpit inseriu dados que fizeram o avião mergulhar.

“O avião fez o que foi mandado por alguém na cabine”, disse a pessoa envolvida com a análise da caixa preta.


Invasão de cabine é investigada

Agora, a investigação mudou o foco para os pilotos, disse a fonte, acrescentando que alguém no avião poderia ter invadido a cabine e o derrubado deliberadamente.

As investigações de acidentes podem demorar um pouco para concluir quais foram as causas e fatores que contribuíram para o acidente, mas a China Eastern começou a devolver os 737-800 aos céus depois de deixar em terra toda a sua frota por cerca de um mês após o acidente.

 

Fontes informaram que o avião estava voando em alta altitude quando caiu em uma espiral
Fontes informaram que o avião estava voando em alta altitude quando caiu em uma espiral - Foto: AP
 

A reportagem do “WSJ” fez com que as ações da Boeing subissem nos EUA.

O relatório preliminar da investigação chinesa sobre a queda, divulgado em abril, aponta que os pilotos deixaram de responder aos controladores de voo logo após a primeira perda de altitude. O documento também não apontou falhas no Boeing 737-800.

O avião, com 132 pessoas a bordo, caiu no dia 21 de março perto da cidade de Wuzhou, na região de Guangxi, no sul da China. A aeronave fazia um voo entre as cidades de Kunming para Guangzhou. Todos os passageiros e tripulantes morreram.

“O radar de controle de área de Guangzhou mostrou um aviso de ‘desvio’ de altitude de comando, a aeronave deixou a altitude de cruzeiro, o controlador chamou a tripulação imediatamente, mas não recebeu resposta”, aponta o relatório.

Em março, dias após a queda, o chefe do centro de investigação de acidentes da Administração de Aviação Civil da China (CAAC, da sigla em inglês), Mao Yanfeng, disse em entrevista coletiva que os controladores mantiveram contato com o avião durante todo o percurso até a primeira queda de altitude.

O relatório preliminar, que foi divulgado pela CAAC, não apontou nenhuma possível causa para esse tipo de queda, o que gerou críticas por parte de especialistas.

O relatório é um documento obrigatório que o país de origem da companhia aérea deve apresentar até 30 dias após a queda. Nas conclusões preliminares, a CAAC afirma também que as caixas pretas ainda estão muito danificadas, o que dificultaria as investigações.

Mas a agência não tornou públicas as informações que já puderam ser extraídas dos gravadores de dados do voo e de voz dos pilotos presentes nas caixas pretas. O conteúdo foi enviado a Washington, nos Estados Unidos, para análise.

Mais matérias
desta edição