app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Internacional

Israel convoca reservista para combate em Gaza

Tel Aviv – O Exército israelense começou ontem a convocar com urgência seus reservistas, depois que o governo autorizou um ataque na faixa de Gaza em represália ao atentado palestino que deixou 16 mortos na cidade de Rishon Letzion, ao sul de Tel Aviv,

Por | Edição do dia 10/05/2002 - Matéria atualizada em 10/05/2002 às 00h00

Tel Aviv – O Exército israelense começou ontem a convocar com urgência seus reservistas, depois que o governo autorizou um ataque na faixa de Gaza em represália ao atentado palestino que deixou 16 mortos na cidade de Rishon Letzion, ao sul de Tel Aviv, na  terça-feira (7), disse a rádio militar israelense. De acordo com a rádio israelense, muitos reservistas começaram a receber ordem de se apresentar ao Exército, principalmente os que pertencem a unidades de combate e de engenharia. O Exército de Israel é formado principalmente por reservistas. O ministro israelense de Relações Exteriores, Shimon Peres, declarou ontem que caso haja uma operação militar na faixa de Gaza, as autoridades militares “iriam se concentrar unicamente em áreas onde há uma alta concentração de terrorista”. Segundo Israel, o autor do atentado em Rishon Letzion veio de Gaza. O ataque deixou 16 mortos, incluindo o palestino suicida e cerca de 60 feridos. O gabinete de segurança de Israel decidiu ontem autorizar o primeiro-ministro Ariel Sharon a lançar uma ofensiva militar em resposta ao atentado suicida. Ainda não há detalhes de como será a ação, mas houve autorização para Sharon e o ministro da Defesa, Binyamin Ben Eliezer, decidirem o que deve ser feito. O gabinete se reuniu depois que Sharon antecipou sua volta dos EUA a Israel, após encontro com o presidente George W. Bush. O ataque suicida aconteceu enquanto os dois se reuniam em Washington. Preparação Quarta-feira Israel já estava concentrando tropas perto da faixa de Gaza, durante uma suposta preparação para a operação de retaliação. Testemunhas palestinas disseram que tanques e escavadeiras israelenses entraram no sul da faixa de Gaza, perto de Rafah. O Exército de Sharon entrou em Rafah para destruir um túnel usado para contrabando, disse a rádio israelense. De acordo com a fonte, houve combates entre soldados israelenses e militantes palestinos, mas os confrontos não teriam deixado feridos. O chefe dos serviços palestinos de Segurança Preventiva na faixa de Gaza, o coronel Mohamed Dahlán, alertou ontem que se Israel invadir a faixa de Gaza “teremos novos exemplos do que aconteceu em Jenin”. Dahlán se referia à recente invasão de Israel na Cisjordânia, onde o campo de refugiados de Jenin se tornou um símbolo para a resistência palestina, onde, segundo palestinos, houve um “massacre”.

Mais matérias
desta edição