app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Internacional

Bush � acusado de espionar e-mails e liga��es de civis

| Folhapress Com agências internacionais A procura de evidências de terrorismo e sob recomendação do presidente George W. Bush, a Agência de Segurança Nacional norte-americana monitora secretamente ligações e e-mails de civis residentes nos Estados Uni

Por | Edição do dia 17/12/2005 - Matéria atualizada em 17/12/2005 às 00h00

| Folhapress Com agências internacionais A procura de evidências de terrorismo e sob recomendação do presidente George W. Bush, a Agência de Segurança Nacional norte-americana monitora secretamente ligações e e-mails de civis residentes nos Estados Unidos que se comunicavam com pessoas no exterior, segundo texto publicado ontem no site do jornal The New York Times. O monitoramento, que passou a ser feito meses após os ataques terroristas de 11 de setembro de 2001, não teve autorização da Justiça norte-americana, geralmente necessária para realizar esse tipo de espionagem, informa o jornal. De acordo com o New York Times, sob uma ordem presidencial, assinada em 2002, a agência de inteligência americana começou a monitorar todos as ligações telefônicas internacionais e mensagens vindas de provedores de Internet de outros países de milhares de pessoas que moram nos Estados Unidos, em um esforço de descobrir se a rede terrorista Al-Qaeda “está infiltrada no país”. Fontes consultadas pelo jornal disseram que a agência americana “vigia sem direitos mais de 500 pessoas simultaneamente nos Estados Unidos, a qualquer momento. A lista com os nomes das pessoas vigiadas muda de tempos e tempos (...) e, sendo assim, o número de pessoas monitoradas no país pode chegar a milhares. No exterior, entre 5.000 e 7.000 pessoas, suspeitas de atividades terroristas, são vigiadas simultaneamente”, diz o New York Times. O Times ainda diz que a Casa Branca chegou a pedir para o jornal que não publicasse essa notícia, o que poderia afetar investigações que já estão em andamento. Essa não é a primeira vez que o governo norte-americano é acusado de espionar seus próprios cidadãos. Em 2000, o FBI [polícia federal americana] foi obrigada a revelar os documentos sobre o sistema Carnivore ou DCS1000, tecnologia que é instalada nos servidores dos provedores de Internet, e permite o monitoramento do conteúdo dos e-mails e também o registro das páginas visitadas por internauta. Segundo o Times, vários membros da Agência de Segurança Nacional e ex-funcionários que preferiram manter sua identidade em sigilo, disseram estar “preocupados” com a legalidade da operação de monitoramento, desenvolvida desde 2002. Silêncio O presidente Bush se recusou ontem a comentar a reportagem. “Não falamos sobre operações da inteligência que estão em curso para proteger o país”, disse Bush em entrevista à rede de TV PBS, em sua primeira reação pública a respeito da polêmica gerada sobre o papel da Agência Nacional de Segurança (NSA) na espionagem de americanos e estrangeiros nos EUA. “Não revelamos fontes nem métodos”, afirmou Bush. A secretária de Estado norte-americana, Condoleezza Rice, também se recusou a entrar em detalhes sobre o caso.

Mais matérias
desta edição