app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
José Elias

Confira os destaques da política alagoana #JE22062021

.

Por JOSÉ ELIAS | Edição do dia 22/06/2021 - Matéria atualizada em 22/06/2021 às 04h00

O SILÊNCIO DOS DEPUTADOS FAZ AR PREOCUPANTE NO VOTO

Silêncio marca a reação dos deputados sobre o quadro da eleição majoritária do ano que vem. Recuados, como numa partida que se joga pelo empate, não abrem a boca com relação à sucesso estadual, que começa a botar a cabeça de fora. Resenha só no âmbito interno, distante dos linguarudos e longe dos pombos-correio dos fuxiqueros, com ouvidos acesos. Como ainda ninguém é de ninguém, conversas rolam nos bastidores à procura de um consenso na Assembleia. De uma coisa, pelo menos é o que deixam transparecer integrantes do bloco, estão fechados. A informação dá conta de que para onde a maioria pender, vai marchar obedecendo a sinalização que o comandante indicar, no céu, na terra e no mar. Corre lá dentro que apoio às ações do Palácio é uma coisa, discussão de 2022 é outra completamente diferente. O grupo é liderado por Marcelo Victor, Davi Maia, Davi Davino, Jó Pereira e Paulo Dantas. Não subiu em nenhuma balança, também aguarda evolução do processo e só começa a caminhar nas composições quando a temperatura esquentar.


VEREADORES NA BALANÇA DO PESO ELEITORAL DO VOTO 2022

Cada um vale quanto pesa na correlação de força em qualquer disputa da vida, competição difícil de se navegar. Na fila do emprego – hoje pé de cobra –, dificuldades chegam de todos os lugares, a partir da qualificação à condição social. No futebol, investimentos milionários garantem o destino dos clubes, que sobem ou descem de acordo com a conta bancária. Quem não apresentar serviços no voto não se valoriza, em primeiro lugar, junto à sociedade e, depois, perde pontos nos contatos políticos. Os vereadores de Maceió terão que botar raça para mostrar o cartaz do seu mandato em 2022. Galba Neto, Samyr Malta, Fábio Costa, Francisco Sales e Marcelo Palmeira repassarão o prestígio conquistado nas urnas. Eles se dividirão, por exemplo, nos grupos que estarão nas ruas pedindo apoio para governador e senador. Disputa proporcional é diferente, porque, em cada resultado, aparece a cara dos que prometem muito e saem pouco. No geral, vai dizer quem comanda politicamente a confiança do povo no Jacintinho, Benedito Bentes, Ponta Grossa, Vergel e Ponta Verde.


MORTES PELO VÍRUS VIRAM ASSASSINATOS ANUNCIADOS

Deus chora, lá em cima, pelo assassinato de mais de 500 mil pessoas, maioria evitável na opinião da ciência médica. Luto anunciado, país vive dramas piores do que as tragédias das guerras mundiais, que destruíram vidas inocentes. Aqui, todo mundo reclama, os poderes lamentam, a sociedade pede socorro e ninguém aponta para uma solução definitiva. Enquanto Bolsonaro e Congresso Nacional travam uma disputa pelo voto, o povo assiste debate calado. A voz das ruas, silenciosamente, se divide, autoridades gritam, mas não resolvem nada, e coronavírus vai passando por cima de todo mundo. Situação insuportável. Cadê as ações que os candidatos juram, na campanha, realizar em favor da Nação? Sem consenso, sem cemitérios para novos sepultamentos, vai-se perder a conta das mortes programadas. Faltam políticos, gestos de estadistas, respeitados por todos, para botar ordem na casa. Como está, bagunça generalizada, o terror tomará conta do Brasil, espalhando medo de cima para baixo em nome de um mandato fora dos interesses populares.

Mais matérias
desta edição