app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Mercado Alagoas

Confira os destaques da economia alagoana #MA27062020

.

Por Edivaldo Junior | Edição do dia 27/06/2020 - Matéria atualizada em 26/06/2020 às 21h45

SÓ HÁ...

O governo apresentou, na sexta-feira (26), a “Matriz de Risco” que vai nortear a implementação das fases do distanciamento social controlado em Alagoas. São critérios para que Alagoas passe de uma fase para outra. Lembrando que são cinco etapas: vermelha, laranja, amarela, azul e verde.


...UMA SAÍDA

Pelo que foi apresentado, a mudança de fase se daria a cada 15 dias. A próxima seria (será?) no dia 14 de julho. Mas, para que isso aconteça, será preciso que o governo aumente o numero de leitos com respiradores (UTIs) ou UTIs Intermediárias).


FORA DOS CRITÉRIOS

Normalmente a ocupação do leito de UTI por mesmo paciente é longa. Em alguns casos demora várias semanas. No momento, a ocupação de UTIs em Alagoas está em 88%, acima, portanto, dos critérios propostos. De acordo com o plano do governo, para avançar para a fase amarela, a ocupação dos leitos com respiradores deve ficar no máximo entre 70% e 80%.


NOVA AVALIAÇÃO

A decisão sobre a próxima fase será tomada com dados de cada semana epidemiológica (que termina ao meio-dia de cada sábado), sempre na segunda-feira. Ou seja, se a regra for pra valer e o critérios também, o governo terá que manter tudo do jeito que está. Ou dar um jeito de abrir novos leitos de UTI até lá.


VAI OU VAI?

Segundo a Associação Comercial de Maceió, “não há razão para que dia 1º de julho não haja a retomada gradual das atividades econômicas em Alagoas, porque todos os indicadores previstos na matriz de risco apresentada pelo governo estadual estão favoráveis à retomada”.


DEFESA

A posição da ACM foi apresentada pelo seu diretor-jurídico, Alessandro Lemos, em entrevista ao CadaMinuto nessa sexta-feira (26). Ele diz que, em relação às bases científicas e critérios técnicos observados para a construção da matriz de risco, há discordâncias. Mas cita que alguns pontos ainda não ficaram claros, a exemplo das bases para estabelecer a relação entre a quantidade de leitos com respiradores para cada 100 mil habitantes.


LÁ E CÁ

“O Estado de São Paulo segue a base de três leitos para cada 100 mil habitantes e aqui a meta é dez a cada 100 mil. A taxa de letalidade considerada para reabertura em São Paulo é 0,5%. A de Alagoas está em 0,37%. Qual a razão dessas diferenças tão acentuadas? Não conseguimos compreender alguns critérios”, ressaltou o advogado.


PRONTO PARA ABRIR

Segundo Alessandro, o comércio local está, há muito tempo, totalmente estruturado e preparado para atender às exigências dos protocolos sanitários e cada setor irá adotar, inclusive, medidas sanitárias mais rigorosas que as exigidas. “Tudo isso está pronto. A reabertura em nada irá contribuir com aglomerações, contribuirá para evitá-las”, completou, lembrando que hoje o nível de isolamento do Estado, de 32%, é considerado baixo.


JÁ PASSOU DO TEMPO

“Entendemos que o cenário atual já permitia a reabertura econômica há algum tempo. Em Alagoas, atingimos o ápice dos óbitos na 21ª semana. Já estamos na 26ª semana e na 25ª houve descenso de 20% no número de mortes por semana. Ou seja, a linha é descendente e a taxa de ocupação hospitalar também, disponibilizando cada vez mais leitos para população, portanto, não há razão para que não haja a retomada no dia 1º de julho”, reforçou o advogado.


CONTROLE

Com um laboratório moderno, os produtos que fazem parte do mix da Cooperativa Pindorama passam por um rigoroso teste do controle de qualidade antes e após o produto passar pela indústria. Analises microbiológica e físico/química são realizadas pela equipe técnica da própria cooperativa.


CAMPANHA

Encabeçada pelo Sindaçúcar-AL, a campanha “Abasteça com Etanol”, que estimula o consumidor alagoano a utilizar o biocombustível, ganha força em Alagoas com a participação de novos parceiros. Os resultados já começam a ser sentidos com uma melhora no aumento do consumo.

Mais matérias
desta edição