app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Nacional

Jos� Rainha � preso em assentamento no Pontal

Teodoro Sampaio (SP) – O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), José Rainha Júnior, foi preso ontem pela polícia no assentamento Che Guevara, localizado no município de Teodoro Sampaio (672 km a oeste de São Paulo). A Polícia Civil c

Por | Edição do dia 06/09/2002 - Matéria atualizada em 06/09/2002 às 00h00

Teodoro Sampaio (SP) – O líder do Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem-Terra (MST), José Rainha Júnior, foi preso ontem pela polícia no assentamento Che Guevara, localizado no município de Teodoro Sampaio (672 km a oeste de São Paulo). A Polícia Civil chegou ao líder sem-terra após receber uma denúncia anônima revelando sua localização. Desde o dia 23 de maio havia um mandado de prisão preventiva expedido contra Rainha por formação de quadrilha. A operação de captura foi comandada pelos delegados Donato Farias de Oliveira, titular de Teodoro Sampaio, e Edmar Trindade Nagai. No início da manhã de ontem eles destacaram 11 investigadores e foram procurar Rainha. “Tínhamos a informação de que ele estava na casa de uma irmã dele, que vive no assentamento Che Guevara. Ficamos de campana desde que começou a clarear”, diz o delegado Nagai. Ele conta que um rapaz saiu da casa que estava sendo vigiada e foi de carro até a sede do assentamento. A polícia seguiu o automóvel e os 13 homens que participaram da ação cercaram o local. Segundo o delegado Nagai, Rainha percebeu a movimentação e tentou escapar pela porta dos fundos. “Ele tentou correr, mas o próprio doutor Donato foi atrás dele e o agarrou. Os dois chegaram a rolar pelo chão”, ressalta Nagai. José Rainha foi dominado e neste momento está na cadeia de Teodoro Sampaio. Ele ficará detido aguardando julgamento do processo em que é acusado por formação de quadrilha. O inquérito policial que resultou no processo contra Rainha foi feito pelo delegado Donato Farias de Oliveira, o mesmo que prendeu o líder do MST ontem. Os fatos relatados no inquérito ocorreram em 2000, quando Rainha liderou uma série de invasões a fazendas e prédios públicos na região do Pontal do Paranapanema.

Mais matérias
desta edição