app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Nacional

Projetos do Avan�a Brasil s� recebem 36,7% da verba

Brasília – Um levantamento feito nos 67 projetos do Avança Brasil que o governo de Fernando Henrique Cardoso chamou de estratégicos revela que, em termos de destinação de verbas, eles não tiveram a prioridade esperada. Nos primeiros dois anos (2000 e 2001

Por | Edição do dia 17/09/2002 - Matéria atualizada em 17/09/2002 às 00h00

Brasília – Um levantamento feito nos 67 projetos do Avança Brasil que o governo de Fernando Henrique Cardoso chamou de estratégicos revela que, em termos de destinação de verbas, eles não tiveram a prioridade esperada. Nos primeiros dois anos (2000 e 2001), portanto metade do tempo total do programa, o governo destinou 36,7% do total previsto de verbas. Levando-se em conta o tempo decorrido do Avança Brasil (no caso 50% já que o parâmetro foi 2000 e 2001) em relação à destinação de verbas, há um saldo negativo de R$ 19,3 bilhões que deixaram de ser investidos no período. As metas de gastos por parte do governo, para os prioritários, somam R$ 145,3 bilhões a serem empregados até dezembro do ano que vem. O valor executado até o fim de 2001, decorrido metade do tempo, era de R$ 53,3 bilhões (36,7%). Os números deste ano, especificamente para os prioritários, não foram informados. De acordo com o coordenador nacional do Avança Brasil, José Paulo Silveira, do Ministério do Planejamento, o plano traz em sua concepção uma mudança na forma de gerir recursos, onde a avaliação é feita mais pelos resultados que pelo valor empenhado. Em alguns casos, como no projeto Saneamento é Vida, é impossível dissociar valor liberado de execução. O objetivo do projeto era melhorar os serviços de saneamento básico nos municípios com mais de 75 mil habitantes. Devido ao contingenciamento do Orçamento, as metas previstas tiveram que ser revistas. Até agora, nenhuma proposta anunciada foi implementada. O Avança Brasil foi criado por FHC para gerenciar um conjunto de 377 projetos, que prevê gastos de R$ 1,29 trilhão em quatro anos (de janeiro de 2000 a dezembro de 2003).

Mais matérias
desta edição