app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5710
Nacional

Trabalhador sobrevive a machadadas e enterro

Campinas – O servente Amaro Carlos da Silva, 39, pode se considerar um sujeito de sorte. Ele levou pauladas na cabeça, foi enforcado, tomou choques no pulso, uma machadada na cabeça, depois foi jogado em um poço de água subterrânea, ficou coberto por entu

Por | Edição do dia 13/10/2002 - Matéria atualizada em 13/10/2002 às 00h00

Campinas – O servente Amaro Carlos da Silva, 39, pode se considerar um sujeito de sorte. Ele levou pauladas na cabeça, foi enforcado, tomou choques no pulso, uma machadada na cabeça, depois foi jogado em um poço de água subterrânea, ficou coberto por entulho durante cinco dias seguidos e sobreviveu. O caso ocorreu no último dia 2 de outubro, no bairro do Pião, zona rural da cidade de Piracaia (80 km de São Paulo). Ele está internado há seis dias na Santa Casa de Piracaia e passa bem. Em entrevista, a vítima relatou que foi espancada, por 30 minutos, até ser levada para um poço de mais de dois metros de profundidade, onde foi coberta por entulhos e terra, onde passou cinco dias. “Pensava em Deus e pedia para Santo Antonio da Cachoeira me salvar. Pedia para me transformar numa lagartixa para sair de lá”, disse Amaro Silva. O autor do crime, Pedro Carlos da Silva Filho, 26, está preso na delegacia da cidade e confessou o crime, segundo a polícia. Ele foi indiciado por tentativa de homicídio qualificado e prática de tortura. Segundo o diretor da Santa Casa de Piracaia, Pietro Petri, 42, que atendeu Amaro Silva, o paciente chegou consciente ao hospital, mas apresentava lesões na cabeça e no corpo, além de estar desnutrido e desidratado. “Ele (Amaro Silva) chegou muito mal mesmo. A cabeça dele estava aberta pela machadada. No começo, nem acreditamos na história, mas fiz um exame nos pulmões do paciente e descobrimos que havia terra. Aí passamos a acreditar”, afirmou Petri. De acordo com o delegado de Piracaia, José Carlos de Assis Gonçalves, 39, a motivação do crime teria sido o fato de Amaro Silva ter assediado P.L.C., uma adolescente de 15 anos, mulher de Pedro Silva, que está grávida de seis meses. Pedro Silva teria visto os dois juntos, se irritado com a cena e partido com um pedaço de madeira para cima de Amaro Silva.

Mais matérias
desta edição