app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Nacional

Gesta��o abdominal

Natal – Um caso raro na medicina. Na noite de sexta-feira, em Natal, nasceu Vitória, de 1,9 kg, após uma gestação abdominal de 36 semanas e dois dias (equivalente a oito meses e meio). Ela é um bebê saudável. A obstetra Kívia Mota, especialista em fertili

Por | Edição do dia 24/02/2002 - Matéria atualizada em 24/02/2002 às 00h00

Natal – Um caso raro na medicina. Na noite de sexta-feira, em Natal, nasceu Vitória, de 1,9 kg, após uma gestação abdominal de 36 semanas e dois dias (equivalente a oito meses e meio). Ela é um bebê saudável. A obstetra Kívia Mota, especialista em fertilização e plantonista da Maternidade Escola Januário Cicco, da Universidade Federal do Rio Grande do Norte, disse que ocorre 1 caso de gravidez no abdome para cada 10 mil, mas o fato raro é a gestação durar por um período próximo dos nove meses. “Melhor ainda é que o bebê nasceu perfeito”, comemorou a especialista. A cirurgia durou 1 hora e o procedimento foi semelhante a uma cesariana. Maria de Fátima Luiz, de 29 anos, mãe de Vitória, teve pouco sangramento. A recém-nascida está na Unidade de Terapia Intensiva, um cuidado normal para bebês com baixo peso. Kívia lembra que gestações abdominais ocorrem com mais freqüência em mulheres que utilizam o Dispositivo Intra-Uterino (DIU) ou fizeram ligações de trompas. Disse ainda não haver registros internacionais de gravidez desse tipo que tenha prosseguido até os oito meses e meio.

Mais matérias
desta edição