app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5758
Nacional

Reservas de peixes no mundo ser�o insuficientes

A crescente população da Terra e a atividade pesqueira em excesso farão com que, nos próximos 20 anos, cerca de 1 bilhão de pessoas de países subdesenvolvidos enfrentem a falta de peixes, sua fonte mais importante de proteína. Segundo análises divulgada

Por | Edição do dia 01/11/2002 - Matéria atualizada em 01/11/2002 às 00h00

A crescente população da Terra e a atividade pesqueira em excesso farão com que, nos próximos 20 anos, cerca de 1 bilhão de pessoas de países subdesenvolvidos enfrentem a falta de peixes, sua fonte mais importante de proteína. Segundo análises divulgadas pelo Centro de Pesca Mundial, com base na Malásia, e pelo Instituto Internacional de Pesquisa em Política Alimentar, apenas uma expansão da atividade de criação de peixes poderá evitar que a situação se agrave ainda mais. O estudo estima que os peixes respondem atualmente por cerca de 7% do suprimento mundial de alimentos e que são a fonte principal de proteína animal de cerca de um sexto dos 6 bilhões de pessoas do mundo. O centro afirmou em um comunicado divulgado às vésperas de uma conferência internacional, a ser iniciada em 3 de novembro, que algumas espécies de peixe desaparecerão dos mercados e que a qualidade da comida vinda do mar irá declinar. E também se prevê que aumentem as disputas entre os países em torno de zonas de pesca. Segundo o centro, a queda na quantidade de peixes apanhados terá sérias consequências nos níveis de nutrição e renda de pessoas dos países subdesenvolvidos nas próximas duas décadas. “O peixe é a fonte de alimento com maior grau de expansão no mundo subdesenvolvido, mas a demanda excede a oferta e o problema aumenta”, afirmou Meryl Willians, diretor-geral do centro. “Quase três quartos das 130 milhões de toneladas extraídas em 2000 vieram de reservas de peixes já esgotadas ou excessivamente exploradas.” Com 90 milhões de bocas a mais por ano para alimentar, as reservas de peixe não poderão atender à demanda depois de 50 anos, durante os quais o consumo per capita desse alimento quase dobrou.

Mais matérias
desta edição