app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5731
Nacional

C�mara instala CPI dos Fundos de Pens�o e exclui PT

Brasília, DF – A Câmara dos Deputados instalou ontem a CPI dos Fundos de Pensão e confirmou a decisão do presidente, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de excluir o PT da presidência da comissão. Como acertado, Efraim Filho (DEM-PB), assumiu a presidência após ser

Por | Edição do dia 13/08/2015 - Matéria atualizada em 13/08/2015 às 00h00

Brasília, DF – A Câmara dos Deputados instalou ontem a CPI dos Fundos de Pensão e confirmou a decisão do presidente, Eduardo Cunha (PMDB-RJ), de excluir o PT da presidência da comissão. Como acertado, Efraim Filho (DEM-PB), assumiu a presidência após ser eleito por 19 dos 20 deputados presentes. Paulo Teixeira (PT-SP), Samuel Moreira (PSDB-SP) e Hissa Abraão (PPS-AM), são os vice-presidentes da comissão. A relatoria ficou com o deputado Sérgio Souza (PMDB-PR). Cunha acertou a exclusão do PT dos postos de comando dessa CPI e também da CPI que investiga fraudes no BNDES. Essas duas comissões têm grande potencial de desgaste do governo. A articulação foi possível graças à adesão do PR e PSD que, formalmente, apoiam o PT, mas fecharam esta questão com Cunha. A articulação liderada por Cunha foi questionada antes da votação pelo petista Paulo Teixeira, que primeiro pediu o adiamento da eleição e, vencido, afirmou a intenção de apresentar um recurso. “Na distribuição de presidências e relatorias, o PT deixa de ocupar uma presidência. Se consolidarmos essa votação, vamos consolidar um mecanismo que não levou em conta a proporcionalidade que tem sido usado na escolha das presidências desta Casa”, afirmou Teixeira. QUESTÃO DE ORDEM Membro com maior número de mandatos entre os integrantes da CPI, o deputado Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) abriu os trabalhos da comissão e respondeu aos questionamentos de Paulo Teixeira. Sá destacou a existência de uma questão de ordem, número 526 de 2009, segundo a qual, “a escolha do presidente e relator é questão de natureza política e não de proporcionalidade”.

Mais matérias
desta edição