app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Nacional

Dilma pede apoio para vencer crise

Brasília, DF – A presidente Dilma Rousseff admitiu ontem, em vídeo pelo Dia da Independência divulgado em redes sociais, a possibilidade de ter cometido erros, mas disse que, se isso aconteceu, vai superá-los. Ela também afirmou que o País passa por “difi

Por | Edição do dia 08/09/2015 - Matéria atualizada em 08/09/2015 às 00h00

Brasília, DF – A presidente Dilma Rousseff admitiu ontem, em vídeo pelo Dia da Independência divulgado em redes sociais, a possibilidade de ter cometido erros, mas disse que, se isso aconteceu, vai superá-los. Ela também afirmou que o País passa por “dificuldades” superáveis e pediu união para atravessar o período. Neste ano, em razão das crises política e econômica e de panelaços em pronunciamentos anteriores, o governo decidiu não fazer pronunciamento em cadeia nacional de rádio e televisão no 7 de Setembro – somente por meio de vídeo nas redes sociais. “O que eu quero dizer, com toda a franqueza, é que estamos enfrentando os desafios, essas dificuldades, e que vamos fazer essa travessia. Se cometemos erros, e isso é possível, vamos superá-los e seguir em frente”, disse a presidente. “Também sei que a união em torno dos interesses de nosso País e de nosso povo é a força capaz de nos conduzir nessa travessia. Devemos nessa hora estar acima das diferenças menores, colocando em segundo plano os interesses individuais ou partidários”, disse. No vídeo, Dilma atribui os atuais problemas a gastos feitos pelo governo para manter emprego e a renda dos trabalhadores, bem como investimentos e programas sociais. “Agora temos de reavaliar todas essas medidas e reduzir as que devem ser reduzidas”. A presidente também relacionou parte dos problemas à crise internacional. “Ninguém que seja honesto pode negar isso. Está visível que a situação em muitas partes do mundo voltou a se agravar, atingindo agora os países emergentes. Países importantes, parceiros do Brasil, tiveram seu crescimento reduzido e foram atingidos pela crise internacional”, afirmou.

Mais matérias
desta edição