app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Nacional

Pa�s tem novo perfil migrat�rio, diz IBGE

Rio de Janeiro - Os altos índices de desemprego e os programas sociais implementados pelos governos têm contribuído para mudar o perfil migratório no Brasil. A mudança foi constatada nos dados do Censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatísti

Por | Edição do dia 28/06/2003 - Matéria atualizada em 28/06/2003 às 00h00

Rio de Janeiro - Os altos índices de desemprego e os programas sociais implementados pelos governos têm contribuído para mudar o perfil migratório no Brasil. A mudança foi constatada nos dados do Censo 2000 do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) divulgados ontem. Até a década de 80, a migração brasileira era marcada pela grande saída de nordestinos rumo ao Sudeste, fixando-se na região. Atualmente, a migração não significa mais a possibilidade de ascensão social. Segundo o técnico do IBGE Fernando Albuquerque , as condições desfavoráveis da economia aliada à menor qualificação para o trabalho e aos programas sociais governamentais, especialmente nas regiões carentes, também têm ajudado a reduzir a procura dos nordestinos ao Sudeste e reforçado o movimento de retorno aos Estados de origem. “A mudança na migração] está fundamentalmente ligada à estagnação econômica e ao desemprego’’, afirmou. “O migrante sai mais jovem, constitui família e volta. A maioria das pessoas não tem sucesso no movimento migratório’’, diz o gerente do projeto. Escolaridade A migração está bastante relacionada à baixa escolaridade, o que em época de desemprego crescente, contribui para que o migrante volte ao Estado de origem. Do total de 5,196 milhões que migraram entre 1995 e 2000, 66% não haviam completado o ensino fundamental. “Nesse momento de exigência de qualificação e desemprego, eles não conseguem emprego’’, explica Albuquerque. A maior parte dos migrantes (34,1%) era formada por analfabetos ou analfabetos funcionais (que possuem de um a três anos de estudo). Já os que estudaram de quatro a sete anos, mas não completaram o ensino fundamental (até a oitava série), corresponderam a 31,4%. A idade média de quem migra é de 25,3 anos e a de quem retorna ao Estado de nascimento, de 28,5 anos. São Paulo, embora concentre metade dos nordestinos que saíram da sua região, não é tão atrativo quanto antes. Caiu em 12% o número de pessoas se mudou para o Estado em 2000. Por outro lado, o número de pessoas que deixaram São Paulo aumentou 36,4%.

Mais matérias
desta edição