app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5717
Nacional

Justi�a manda soltar sem-terra �presos por invas�o de fazenda

Brasília – A Justiça Federal determinou, ontem, a libertação  dos 16 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais  Sem Terra (MST) que lideraram a invasão à Fazenda Córrego da  Ponte, da família do presidente  Fernando Henrique Cardoso.  Eles estav

Por | Edição do dia 02/04/2002 - Matéria atualizada em 02/04/2002 às 00h00

Brasília – A Justiça Federal determinou, ontem, a libertação  dos 16 integrantes do Movimento dos Trabalhadores Rurais  Sem Terra (MST) que lideraram a invasão à Fazenda Córrego da  Ponte, da família do presidente  Fernando Henrique Cardoso.  Eles estavam presos desde o último dia 24 na Superintendência da PF (Polícia Federal) em Brasília. O juiz Marcus Vinicius Reis Bastos, da 12ª Vara da Justiça Federal, aceitou o pedido de relaxamento de prisão feito pelas advogadas do MST, após outras duas tentativas – na Justiça de Minas Gerais e no Tribunal de Justiça do Estado. Os líderes ficarão em liberdade até o julgamento. Segundo a advogada Herilda de Sousa, os 16 líderes presos têm amparo constitucional para responder ao inquérito em liberdade, pois têm domicílio certo, não ofenderam a ordem pública e não trarão problemas à instrução criminal e à aplicação da lei penal. Os sem-terra poderão responder pelos crimes de invasão de propriedade, resistência à prisão, manter pessoas em cárcere privado e formação de quadrilha. O inquérito será enviado até sexta-feira para a Justiça Federal. Eles não responderão pelo crime de furto, de acordo com a Polícia Federal. A investigação da PF concluiu que nenhum objeto da propriedade foi furtado durante a invasão organizada pelo MST. Ainda há duas perícias da PF em andamento, uma sobre o material apreendido com os sem-terra, tais como facões e pedaços de madeira utilizados como arma, e outra sobre as máquinas e os objetos depredados na fazenda. Com a conclusão dessas duas sindicâncias, o inquérito será concluído. De acordo com André Carlos, integrante da coordenação nacional do MST, apesar da libertação dos líderes, a marcha que está sendo realizada entre Buritis e Brasília, por enquanto, será mantida.

Mais matérias
desta edição