app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5715
Nacional

Intima��o de Roseana leva PFL a suspender vota��es

Brasília – A intimação da ex-governadora Roseana Sarney para  depor à Polícia Federal (PF) abriu  nova crise entre governo e PFL, podendo atrasar a votação da Medida  Provisória (MP) que aumenta a tarifa de energia elétrica para compensar os prejuízos das

Por | Edição do dia 09/04/2002 - Matéria atualizada em 09/04/2002 às 00h00

Brasília – A intimação da ex-governadora Roseana Sarney para  depor à Polícia Federal (PF) abriu  nova crise entre governo e PFL, podendo atrasar a votação da Medida  Provisória (MP) que aumenta a tarifa de energia elétrica para compensar os prejuízos das empresas  concessionárias com o racionamento. O PFL havia decidido aprovar logo essa MP, mas os planos foram alterados e o partido suspendeu todas as votações até amanhã, quando reunirá a Executiva Nacional. A ação da PF irritou os pefelistas e mobilizou o governo. O presidente Fernando Henrique Cardoso entrou no circuito para reverter a situação e garantir a votação da MP. A intenção também era desvincular o episódio a uma suposta ação política da PF contra a pré-candidata do PFL à sucessão presidencial, como foi sustentado pelo presidente do PFL, senador licenciado Jorge Bornhausen (SC). Se não conseguir aprovar esta semana a medida do setor elétrico que está trancando a pauta da Câmara juntamente com outras 20 MPs, a votação da emenda constitucional que prorroga a CPMF sofrerá mais atrasos. Pelas estimativas do líder do governo, deputado Arnaldo Madeira, a prorrogação da CPMF poderia ser concluída até o fim deste mês na Câmara, se a pauta fosse desbloqueada com a votação das MPs. Doações Os advogados da Lunus Serviços e Participações, empresa de propriedade da ex-governadora Roseana Sarney (PFL) e de seu marido Jorge Murad, adiaram para hoje a entrega ao Superior Tribunal de Justiça (STJ) da lista com os supostos doadores de R$ 1,34 milhão, dinheiro apreendido na empresa pela PF no início de março. O advogado Antonio Carlos de Almeida Castro, um dos responsáveis pela defesa de Roseana, afirmou que não teria tempo hábil de encaminhar ontem a documentação, como havia prometido, porque teve que viajar às pressas para São Luís do Maranhão por causa da notícia de que a ex-governadora foi intimada a depor na PF no dia 17.

Mais matérias
desta edição