app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5754
Nacional

Governo palestino pro�be civis armados

O governo palestino proibiu ontem que cidadãos circulem armados nos territórios palestinos. O anúncio foi feito pelo ministro encarregado das negociações de paz com Israel, Saeb Erekat. Segundo ele, a decisão foi tomada durante uma reunião de segurança c

Por | Edição do dia 28/01/2005 - Matéria atualizada em 28/01/2005 às 00h00

O governo palestino proibiu ontem que cidadãos circulem armados nos territórios palestinos. O anúncio foi feito pelo ministro encarregado das negociações de paz com Israel, Saeb Erekat. Segundo ele, a decisão foi tomada durante uma reunião de segurança com membros da alta cúpula do governo palestino, em Ramallah, na Cisjordânia. O anúncio, que ocorre após o governo palestino ter colocado policiais na faixa de Gaza para evitar o lançamento de mísseis Qassam contra alvos israelenses, é mais um sinal das intenções da nova direção da Autoridade Nacional Palestina, liderada por Mahmoud Abbas. O premiê de Israel, Ariel Sharon, também demonstrou ontem sua satisfação com o desenvolvimento dos contatos entre palestinos e israelenses na tentativa de se chegar a um cessar-fogo que abra portas para futuras discussões sobre um acordo de paz. “Não há dúvida que o trabalho começou. Estou muito satisfeito com o que escuto sobre os acontecimento no lado palestino, e tenho grande interesse em avançar nas negociações [com Abbas]. Um alto membro do governo palestino, que pediu anonimato, também disse que Israel pretende libertar cerca de 900 prisioneiros palestinos em um “futuro próximo”. Segundo ele, os israelenses aceitaram libertar os prisioneiros como “uma primeira etapa”, mas teriam negado o primeiro pedido feito pelo governo palestino, que reivindicava a libertação de cinco mil prisioneiros. Apesar das notícias que sinalizam uma melhora nas relações israel-palestinas, focos de violência ainda geram tensão para os dois lados. Nesta quinta-feira, tropas do Exército de Israel, que atuam na Faixa de Gaza, mataram a tiros um palestino que foi considerado suspeito pelos militares. De acordo com o jornal israelense “Haaretz”, que cita fontes do Exército de Israel, o palestino, que aparentemente estava desarmado, correu em direção à entrada de um posto de segurança israelense nas proximidades de Netzarim, em Gaza, quando foi baleado por não ter obedecido ordem de parar. O local atualmente está fechado para palestinos. Israel A expectativa no mundo árabe é exatamente quanto ao futuro das relações entre palestinos e israelenses, depois do novo comando na OLP em substituição ao falecido Iasser Arafat. Com Sharon do outro lado, as negociações sempre foram marcadas pela tensão.

Mais matérias
desta edição