app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5749
Nacional

Foga�a diz que interesse pelo F�rum permanece

O prefeito de Porto Alegre, José Fogaça (PPS), disse que a cidade sempre será candidata a sediar o Fórum Social Mundial. “Não sei quais serão os critérios, mas a cidade sempre será candidata, até porque é a referência mundial do fórum. A prefeitura apoiar

Por | Edição do dia 28/01/2005 - Matéria atualizada em 28/01/2005 às 00h00

O prefeito de Porto Alegre, José Fogaça (PPS), disse que a cidade sempre será candidata a sediar o Fórum Social Mundial. “Não sei quais serão os critérios, mas a cidade sempre será candidata, até porque é a referência mundial do fórum. A prefeitura apoiaria uma candidatura”, disse em entrevista à Folha Online. Fogaça rebateu as críticas de petistas gaúchos de que sua vitória no ano passado sobre Raul Pont (PT) – que interrompeu 16 anos de administrações petistas na capital gaúcha – foi um dos principais fatores para a saída do evento da cidade. “São personagens locais que sempre tentaram fazer do fórum uma criação petista. Tentaram vender para a cidade que o PT organizou o fórum e divulgou a cidade para o mundo. Mas é o contrário, o mundo decidiu vir a Porto Alegre.” De acordo com ele, “o que elas não pensam é que talvez o fórum não venha mais a Porto Alegre porque o PT mudou”. Na última terça-feira, o Conselho Internacional do Fórum decidiu descentralizar o evento. Em 2006, haverá diversas edições ao longo do ano. No ano seguinte, um país africano será a sede. Fogaça evitou criticar o governador Germano Rigotto (PMDB) pelo decreto que restringiu a transferência dos créditos de Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços (ICMS) pelas empresas exportadoras. O prefeito é ex-integrante do PMDB. “O governador Rigotto está vivendo uma situação muito dura. É provável que, se tivessem sido adotadas algumas medidas no começo de sua gestão, talvez isso não seria necessário. Mas não posso criticá-lo. Se eu caísse do céu e chegasse agora ao governo estadual, talvez não houvesse outra coisa a fazer”, afirmou.

Mais matérias
desta edição