app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5756
Nacional

Membros dos dois f�runs v�o trocar experi�ncias

Com a co-parceria do governo federal, representantes do Fórum Social Mundial e do Fórum Econômico Mundial se encontrarão em julho deste ano em Paris para trocar experiências sobre os dois eventos. A informação é do sociólogo Cândido Grzybowsky, represent

Por | Edição do dia 29/01/2005 - Matéria atualizada em 29/01/2005 às 00h00

Com a co-parceria do governo federal, representantes do Fórum Social Mundial e do Fórum Econômico Mundial se encontrarão em julho deste ano em Paris para trocar experiências sobre os dois eventos. A informação é do sociólogo Cândido Grzybowsky, representante do Ibase (Instituto Brasileiro de Análises Sociais e Econômicas) no comitê organizador do Fórum Social Mundial e um dos criadores do evento. “Fizeram uma reunião agora em janeiro e decidiram fazer o debate. É entre pessoas que participam de lá, do Fórum Econômico, e outras que participam do Fórum Social. O Conselho Econômico Social, do ministro [Jaques] Wagner, é co-parceiro nesse encontro”, disse Grzybowsky na tarde de ontem, em Porto Alegre. Ele lamentou, no entanto, que a reunião não seja realizada no Brasil. “Eu, se fizesse esse debate, faria aqui no Brasil para dizer: o Lula patrocinou um evento de encontro de pessoas que participam do Fórum Social e do Fórum Econômico. Mas vai fazer em Paris para o [presidente francês Jacques] Chirac faturar na agenda.” Questionado sobre a falta de comunicação entre Davos e Porto Alegre, já que ambos os eventos ocorrem no mesmo período, o sociólogo disse que o Fórum Social é aberto para qualquer tipo de tema e de pessoas, mas que os integrantes do Fórum Econômico se negam a vir discutir. Ele disse ainda que algumas ONGs (Organizações Não-Governamentais) iniciaram um processo de diálogo e, em especial, uma entidade franco-americana chegou a intermediar a tentativa de ações e debates entre os dois fóruns, mas não houve êxito em nenhuma dessas iniciativas. “Se Davos quisesse fazer discussões seria legítimo. O Ibase e outras organizações iniciaram um processo de discussão de regras de diálogos. Os malditos lá de Davos é que não querem discutir conosco.”

Mais matérias
desta edição