app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Nacional

PF faz revista em cela de Law Chong

Brasília - A Polícia Federal (PF) realizou ontem uma operação pente-fino em busca de  objetos cortantes ou instrumentos que pudessem ser  usados em fugas, na carceragem da superintendência de  Brasília. Os policiais surpreenderam-se com a despensa de lux

Por | Edição do dia 05/02/2005 - Matéria atualizada em 05/02/2005 às 00h00

Brasília - A Polícia Federal (PF) realizou ontem uma operação pente-fino em busca de  objetos cortantes ou instrumentos que pudessem ser  usados em fugas, na carceragem da superintendência de  Brasília. Os policiais surpreenderam-se com a despensa de luxo que um dos presos, o chinês Law Kin Chong, montava no fundo da cela. Foram encontradas 20 latas de peixe importado da Europa, comida preferida do chinês, suco de tomate japonês e compotas de doce de leite caseiro, além de CDs virgens e outros materiais não permitidos em carceragens. Todo o material foi apreendido e a cela, como as demais, passou por um processo de varredura para verificação de indícios de tentativas de fuga. O novo superintendente da PF em Brasília, Daniel Gomes, aproveitou a ocasião para eliminar os vestígios de privilégios dos presos. Considerado o maior contrabandista do Brasil, Chong está preso há mais de seis meses, após ser apanhado em flagrante numa tentativa de suborno ao presidente da CPI da Pirataria, deputado Luiz Antônio Medeiros (PL-SP). Com 11 celas, cada uma com capacidade para até seis presos, a carceragem de Brasília é uma custódia temporária e não um presídio para detentos condenados. Os presos têm direito a receber comida de casa, trazida pelos familiares. Mas, segundo Gomes, apenas o suficiente para um ou dois dias e a embalagem tem de ser compatível com as normas de segurança. Latas, vidros e materiais cortantes em geral são proibidos. O delegado entende também que o ambiente de uma carceragem, apesar de mais brando do que um presídio, não pode ser confundido com recreio ou hotel. Sua idéia é nivelar a condição dos presos, para evitar mal estar e tensões.

Mais matérias
desta edição