app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5752
Nacional

Ex-ministro Lutzenberger morre no RS aos 75 anos

Porto Alegre – Morreu ontem o ambientalista José Lutzenberger, de 75 anos, às 11h20, de parada cardíaca. Ele havia sido internado no dia anterior com um quadro de insuficiência respiratória, no pavilhão Pereira Filho da Santa Casa de Misericórdia de Porto

Por | Edição do dia 15/05/2002 - Matéria atualizada em 15/05/2002 às 00h00

Porto Alegre – Morreu ontem o ambientalista José Lutzenberger, de 75 anos, às 11h20, de parada cardíaca. Ele havia sido internado no dia anterior com um quadro de insuficiência respiratória, no pavilhão Pereira Filho da Santa Casa de Misericórdia de Porto Alegre (RS), onde faria exames. O pneumologista Bruno Palombini, que tratava Lutzenberger, disse que ele sofria de lesão no miocárdio (músculo do coração) e de um problema respiratório causado pelo tabagismo – ele foi fumante entre os 16 e 50 anos. O ministro do Meio Ambiente, José Carlos Carvalho, divulgou uma nota em nome do governo: “Lamentamos o falecimento do ambientalista José Lutzenberger, homem que se dedicou à defesa do meio ambiente. Devemos seguir seu exemplo, fazendo de nosso dia-a-dia uma busca permanente de novas ações capazes de assegurar respeito a nossas fauna e flora”. Engenheiro agrônomo nascido em Porto Alegre (RS), Lutzenberger criou em 1987 a Fundação Gaia, entidade que presidia, voltada a projetos de agricultura orgânica, educação e consultoria ambiental. Lutzenberger ficou conhecido nacionalmente por sua atuação como secretário especial do Meio Ambiente, cargo para o qual foi nomeado em 1990 pelo presidente Fernando Collor de Mello e que ocupou por dois anos. Prêmio Nobel Lutzenberger foi um dos idealizadores da Associação Gaúcha de Proteção ao Ambiente Natural (Agapan), criada em 1971, uma das primeiras entidades do gênero no País. Lutz, como era conhecido, ganhou vários prêmios internacionais em reconhecimento a sua contribuição à ecologia, entre eles o prêmio Nobel Alternativo. Influenciou a formação de várias das lideranças do movimento ambientalista, tanto no Rio Grande do Sul como em outros Estados. Para Magda Renner, 75, hoje diretora da ONG Amigos da Terra, sediada em Porto Alegre, uma palestra dele nos anos 70 foi uma experiência inesquecível. “Como se da minha casa se abrissem quatro janelas e eu visse todo o mundo lá fora sob uma nova perspectiva”, afirmou. A Fundação Gaia continuará sendo dirigida pelas suas filhas, Lilly e Lara, que têm atuado nos últimos anos como secretária e vice-presidente da entidade respectivamente. Lutzenberger será sepultado hoje, às 11h, na sede da Fundação Gaia, em Pântano Grande, a 120 quilômetros de Porto Alegre.

Mais matérias
desta edição