app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Nacional

Qu�rcia deve ser candidato do PMDB

| Folhapress São Paulo Dizendo-se, agradavelmente, surpreso com a liderança na pesquisa Datafolha para o governo do Estado de São Paulo, o peemedebista Orestes Quércia admitiu na última sexta-feira a possibilidade de concorrer ao Palácio dos Bandeirant

Por | Edição do dia 18/12/2005 - Matéria atualizada em 18/12/2005 às 00h00

| Folhapress São Paulo Dizendo-se, agradavelmente, surpreso com a liderança na pesquisa Datafolha para o governo do Estado de São Paulo, o peemedebista Orestes Quércia admitiu na última sexta-feira a possibilidade de concorrer ao Palácio dos Bandeirantes. Quércia disse que pretendia esperar até março para decidir-se sobre a candidatura, mas reconheceu que a pesquisa pode precipitar seu lançamento. “Pretendia esperar até março, mas isso era antes da pesquisa. As circunstâncias estão me empurrando para a disputa.” Presidente do PMDB no Estado, Quércia concordou com a análise do diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, segundo a qual muitos eleitores declaram voto a ele por exclusão. “Há muitos insatisfeitos com o PT e com o PSDB”, ponderou. Quércia atribui, no entanto, sua liderança à coerência das críticas à política econômica, “seja no governo FHC ou no governo Lula”. Embora se diga surpreso com a escolha, Quércia tem acompanhado, com pesquisas, a evolução dos votos no interior. A surpresa foi ter derrotado Fernando Henrique Cardoso. “Na última pesquisa, eu já tinha 30%. Mas o Fernando Henrique não foi incluído”, contou Quércia. Segundo ele, o índice de intenção de votos no ex-presidente vem caindo nos últimos dois meses. “O que a gente não esperava era ter batido Fernando Henrique”, disse o deputado estadual Jorge Caruso, lembrando que, em recente pesquisa, em 20 cidades da região de Rio Claro, o ex-presidente ainda estava na frente. Em outra, sobre o potencial de transferência de votos, era a ex-prefeita Marta Suplicy quem lideraria a disputa. “Aquela pesquisa estava errada. Veio distorcida”, comentou Quércia, confidenciado o quanto trabalha com afinco pela eleição. Sem ocupar o noticiário nacional, Quércia tem dedicado pelo menos dois fins de semana por mês à campanha no Estado. Só em 2005, visitou dez diferentes regiões.

Mais matérias
desta edição