app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Nacional

Garoto diz ter sentido medo de se perder

| Folhapress São Paulo Um dia depois de ter sobrevivido a uma queda de avião em plena mata, Matheus de Almeida, 10, contou detalhes do acidente que causou a morte de duas pessoas - entre elas seu pai, o piloto Rodinei de Almeida, 40. O garoto lembrou d

Por | Edição do dia 04/01/2006 - Matéria atualizada em 04/01/2006 às 00h00

| Folhapress São Paulo Um dia depois de ter sobrevivido a uma queda de avião em plena mata, Matheus de Almeida, 10, contou detalhes do acidente que causou a morte de duas pessoas - entre elas seu pai, o piloto Rodinei de Almeida, 40. O garoto lembrou de uma mala que pegava fogo e caiu em sua cabeça, queimando seus cílios. Depois, lembrou ter sido empurrado para fora do avião pelo outro sobrevivente, o empresário Antônio Celso Cortez, 50, e de ter caído num barranco. Resolveu subir o morro e soltou o cinto de Cortez, amigo de seu pai, para que ele também conseguisse sair do bimotor. O garoto conversou com a imprensa no intervalo da realização de exames no Hospital Geral de Taipas, onde recebeu alta, por volta das 14h. Matheus estava acompanhado da mãe, Giselly Mageri Semler, 38. Peão de boiadeiro Apesar do acidente, ele disse não ter ficado com medo de avião e, segundo sua mãe, era com esse meio de transporte que voltariam para Campo Grande (MS), onde moram. Mas ele não sonha em ser piloto como o pai: seu desejo é ser peão de boiadeiro. Matheus disse ter ficado com um pouco de medo de andar na mata fechada e de se perder. Mas, mesmo assim, guiou Cortez, que havia perdido os óculos, pela serra da Cantareira. “Passavam helicópteros, mas eles não viam a gente. Até que subi numa pedra e vi que tinha uma casa perto”, contou. O garoto dormia no avião e, quando ocorreu a queda, diz ter ficado “meio tonto”. “Mas, depois que saí, bati a cabeça, acordei um pouco e fui tirar o Antônio.” A parte mais difícil do dia, de acordo com ele, foi durante a busca por socorro. “Quando ouvia barulho de carros, corria no sentido deles, mas aí o barulho ia para o outro lado”, afirma. Pela manhã, ele recebeu a visita de Anderson Alves, 35, e seu filho Nadson, 13 - dupla que o encontrou na mata após o acidente e chamou a polícia para resgatá-lo.

Mais matérias
desta edição