app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Nacional

Tapa-buraco come�a em estados tucanos

| AGÊNCIA ESTADO Brasília A operação tapa-buraco, do governo federal, começará na segunda-feira em quase 12 mil quilômetros de rodovias federais, em 20 Estados, entre eles São Paulo e Minas Gerais, ambos governados pelo PSDB. A idéia do governo federa

Por | Edição do dia 06/01/2006 - Matéria atualizada em 06/01/2006 às 00h00

| AGÊNCIA ESTADO Brasília A operação tapa-buraco, do governo federal, começará na segunda-feira em quase 12 mil quilômetros de rodovias federais, em 20 Estados, entre eles São Paulo e Minas Gerais, ambos governados pelo PSDB. A idéia do governo federal é acelerar o trabalho para concluir as obras mais urgentes ainda nos três primeiros meses do ano. Ao longo da próxima semana, as obras devem se estender a outros trechos. Ao todo, o programa pretende recuperar 26,5 mil quilômetros de rodovias em 25 Estados. Na segunda-feira, os trabalhos começarão em cerca de 120 canteiros de obras (de um total de 600), em 20 Estados, em um total de aproximadamente 11,7 mil quilômetros. As principais rodovias federais que cruzam São Paulo estão na lista das estradas nas quais a operação tapa-buraco começará já nesse dia. Na Fernão Dias (BR) serão realizadas obras desde o entroncamento com a Via Dutra, na Grande São Paulo, até a divisa com Minas, em um trecho total de 90 quilômetros. Também serão tapados os buracos da Régis Bittencourt (BR-116) entre Taboão da Serra e a divisa com o Paraná. No litoral norte, haverá obras nos 56,3 quilômetros da BR-101, entre Ubatuba e a divisa com o Rio de Janeiro. O governo também fará a recuperação dos 144 quilômetros da BR-153, entre Lins e a divisa com o Paraná, e do trecho de 32 quilômetros da BR-459, da divisa de São Paulo com Minas Gerais até Lorena. Mas neste início de operação, o Estado que terá a maior extensão de estradas em obras será Goiás, cerca de 2.300 quilômetros. Em Minas Gerais, que receberá o maior montante de investimentos do programa (R$ 63,8 milhões), os trabalhos começam em cerca de mil quilômetros de rodovias, de um total de mais de 3 mil quilômetros que receberão benfeitorias ao longo da operação. Na segunda-feira, o ministro dos Transportes, Alfredo Nascimento, iniciará seu cronograma de visitas às obras pelas estradas que cruzam Goiás e a região do Distrito Federal, como a BR-040 e a BR-060. Na terça-feira, ele irá a canteiros de obras na Bahia e, na quarta, estará em Minas. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que está em descanso na Bahia, deve visitar algumas frentes de trabalho, juntamente com Nascimento. Ao todo, o programa prevê investimentos de R$ 440 milhões. Parte das obras (cerca de 7,4 mil quilômetros) será realizada em caráter emergencial, sem licitação. Segundo informou o Ministério dos Transportes, a escolha das empresas que executarão obras sem licitação acontecerá gradualmente, ao longo do processo. Para a professora de engenharia Laura Goretti da Motta, da Coordenação dos Programas de Pós-graduação de Engenharia da Universidade Federal do Rio de Janeiro (Coppe), o governo está certo em tapar os buracos das rodovias, mesmo na época de chuvas. “É muito mais danoso deixar o pavimento aberto, porque a água se infiltra para as áreas inferiores e pode causar mais estrago”, explicou. Segundo ela, o fato de a época ser de chuva não é um impeditivo. “O mais grave é ter deixado ficar do jeito que ficou”, afirmou.

Mais matérias
desta edição