app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Nacional

Aldo quer mais vagas para deputados

Brasília - O presidente da câmara Aldo Rebelo incluiu, ontem, na pauta da convocação extraordinária um projeto que cria novas vagas para parlamentares na Câmara. Pela proposta, o número de deputados subiria de 513 para 521. Segundo Aldo Rebelo, o projet

Por | Edição do dia 11/01/2006 - Matéria atualizada em 11/01/2006 às 00h00

Brasília - O presidente da câmara Aldo Rebelo incluiu, ontem, na pauta da convocação extraordinária um projeto que cria novas vagas para parlamentares na Câmara. Pela proposta, o número de deputados subiria de 513 para 521. Segundo Aldo Rebelo, o projeto é legítimo, apesar de causar um impacto de R$ 10 milhões aos cofres públicos. “Obedece à análise do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE), fazendo uma correção estabelecida pelo instituto”, argumentou Aldo, esquivando-se da polêmica já gerada com a convocação extraordinária, que custará aproximadamente R$ 95 milhões aos cofres públicos, e que poderá provocar mais críticas, se os parlamentares aprovarem a medida em questão. Em véspera de eleição, porém, a idéia pode nem ir adiante, já que o assunto interessa pouco para a maioria dos deputados. Aldo vai propor aos líderes partidários, na segunda-feira, que a emenda constitucional reduzindo o recesso parlamentar seja votada o mais rapidamente possível. Sua intenção é colocá-la em votação logo após a liberação da pauta. A maioria dos partidos, inclusive os antagônicos PT e PFL, quer fixar o recesso em 60 dias, dividindo as férias dos parlamentares em 30 dias no mês de julho e mais 30 dias em dezembro. Atualmente, os deputados e senadores têm três meses de recesso. Ontem, Aldo iniciou o diálogo com as lideranças partidárias para tentar reduzir o recesso e acabar com o pagamento das convocações extraordinárias. Aldo discutiu o assunto com o líder do PT, Henrique Fontana (RS), e com o deputado Eunício Oliveira (PMDB-CE). Ambos concordaram que é preciso resolver esse problema, que se agravou com o fracasso da atual convocação extraordinária.

Mais matérias
desta edição