app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5729
Nacional

Tucano diz que documento sobre caixa 2 � falso

| Thiago Guimarães Folhapress Belo Horizonte - Mesmo confrontado com laudo do Instituto Nacional de Criminalística (INC), que comprovou ser autêntico o documento que descreve um suposto caixa 2 de R$ 91,5 milhões da campanha do hoje senador Eduardo Azer

Por | Edição do dia 13/01/2006 - Matéria atualizada em 13/01/2006 às 00h00

| Thiago Guimarães Folhapress Belo Horizonte - Mesmo confrontado com laudo do Instituto Nacional de Criminalística (INC), que comprovou ser autêntico o documento que descreve um suposto caixa 2 de R$ 91,5 milhões da campanha do hoje senador Eduardo Azeredo (PSDB) ao governo de Minas Gerais, em 1998, Cláudio Mourão - ex-tesoureiro do tucano - manteve ontem, em depoimento à Polícia Federal, a versão de que o documento é uma montagem. “Mesmo diante do documento [laudo do INC], ele continua a afirmar que foi montagem”, disse o delegado Praxíteles Praxedes, que está em Belo Horizonte desde anteontem, ouvindo suspeitos de envolvimento na organização do caixa 2 do PSDB na campanha de 1998 em Minas. De acordo com o delegado, a comprovação da autenticidade do documento foi o motivo pelo qual Mourão foi ouvido novamente. Em seu primeiro depoimento à PF, em novembro, Mourão manifestou dúvida em relação às rubricas, a ele atribuídas, que aparecem no documento. O intitulado “resumo da movimentação financeira” da campanha de Azeredo foi entregue à PF pelo lobista Nilton Monteiro, a quem o senador e seu ex-tesoureiro acusam de ter falsificado o documento. Os papéis indicam o que seriam a origem e o destino de cerca de R$ 100 milhões que teriam sido arrecadados para a campanha - dos quais apenas R$ 8,5 milhões foram declarados.

Mais matérias
desta edição