app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Nacional

Reforma eleitoral deve ser votada hoje pela C�mara

| Ranier Bragon Folhapress Brasília - A reforma eleitoral gestada na esteira da crise do “mensalão” vai a voto hoje na Câmara dos Deputados e corre o risco de se restringir apenas a modificações para reduzir o gasto de políticos com campanhas eleitorais

Por | Edição do dia 08/02/2006 - Matéria atualizada em 08/02/2006 às 00h00

| Ranier Bragon Folhapress Brasília - A reforma eleitoral gestada na esteira da crise do “mensalão” vai a voto hoje na Câmara dos Deputados e corre o risco de se restringir apenas a modificações para reduzir o gasto de políticos com campanhas eleitorais. Elaborado com o objetivo não só de baratear custos de campanha, mas de combater o caixa dois nas eleições e dar mais transparência às disputas, o projeto sofreu um forte encolhimento na Câmara. Reunião de líderes partidários ontem consolidou o processo de enxugamento do texto elaborado pelo senador Jorge Bornhausen (PFL-SC) e aprovado pelo Senado em agosto. Originalmente, o projeto de lei estabelecia punição pesada para o caixa dois, proibia o uso de imagens externas nos programas eleitorais, inibia o troca-troca de políticos entre as legendas, previa prestação diária de contas de campanha pela internet, diminuía o período de campanha, além de uma série de outras restrições, como a vedação à divulgação de pesquisas eleitorais nos 15 dias anteriores à eleição. A Câmara, no início da tramitação do projeto, ainda lhe agregou um parágrafo que estabelecia um teto para os gastos de cada candidato, a ser definido pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE). O fato é que o texto que deve ser votado hoje no plenário da Câmara excluiu praticamente todos os pontos acima. Somente o teto ainda tem uma pequena chance de resistir, com uma alteração: ele seria definido pela própria Câmara. Com as mudanças, a punição para o caixa dois -que hoje não é prevista na legislação- se limitará à perda do mandato. Pelo projeto do Senado, haveria prisão de três a cinco anos e multa de até R$ 50 mil, além da cassação do mandato. O tempo de campanha e a forma como é feita a propaganda em TV também permanecem inalterados, assim como a não-vedação da publicação de pesquisas eleitorais. A proposta de uma prestação de contas diária das contas de campanha -ou de 20 em 20 dias, como sugerido depois- também não deve permanecer no projeto. O argumento é de que os candidatos de pequenas cidades não teriam como cumprir a exigência. Entre as modificações que restaram estão a proibição de doações eleitorais em dinheiro vivo, de distribuição de brindes (camisetas, bonés, chaveiros), de realização de showmícios, de anúncios de candidatos em jornais, e de uso de outdoors comerciais por candidatos a vereador e deputado. Além disso, o tesoureiro passaria a responder, ao lado do candidato, pela veracidade das informações prestadas à Justiça Eleitoral. “Se não houver teto para os gastos, troca-se um gasto por outro. Troca o brinde pelo cabo eleitoral, troca o showmício pelo telemarketing”, disse o líder do PT, Henrique Fontana (RS).

Mais matérias
desta edição