app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Nacional

PFL e PSDB querem que Dimas deponha

| Folhapress Brasília Líderes do PFL e do PSDB devem apresentar hoje requerimento para que o ex-diretor de Furnas, Dimas Toledo, seja convocado a prestar depoimento na CPI dos Correios. O alvo do depoimento deve ser a chamada “lista de Furnas”, com o

Por | Edição do dia 08/02/2006 - Matéria atualizada em 08/02/2006 às 00h00

| Folhapress Brasília Líderes do PFL e do PSDB devem apresentar hoje requerimento para que o ex-diretor de Furnas, Dimas Toledo, seja convocado a prestar depoimento na CPI dos Correios. O alvo do depoimento deve ser a chamada “lista de Furnas”, com os nomes de 156 políticos de 12 partidos que teriam recebido dinheiro de caixa 2 em 2002. O documento, que é uma cópia, tem a assinatura do ex-diretor de Furnas. A Polícia Federal ainda investiga sua autenticidade. Com informações da Agência Brasil. “Corre a notícia de que nós, do PFL, estaríamos protelando a convocação de Duda Mendonça [publicitário responsável pelas campanhas do PT em 2002 e 2004] por causa do conteúdo da lista. Quero deixar claro que meu partido não faz acordo, acordinho ou acordão. Dimas Toledo e Duda Mendonça terão de vir ao Congresso para que não fique nenhum indício de dúvida sobre a índole da oposição”, afirmou o líder do PFL, o senador Agripino Maia (RN). “Não há a menor hipótese de trocarmos nada por nada. Vamos fazer um acordo às claras e convocar todos os que têm contas a prestar a este País”, disse o líder do PSDB, o senador Arthur Virgílio (AM). Contas de Duda A CPI dos Correios deve votar, nesta semana, resolução limitando o acesso aos dados sobre a movimentação financeira do publicitário Duda Mendonça no exterior ao presidente da comissão, senador Delcídio Amaral (PT-MS), e ao relator, deputado Osmar Serraglio (PMDB-PR). Essa é mais uma tentativa de convencer as autoridades dos EUA de que não haverá vazamento de informações. A proposta encontra resistência dentro da Comissão Parlamentar de Inquérito. “Sou contra isso porque acho que todos os parlamentares têm que ter acesso. Admito essa alternativa apenas se for precondição fundamental para a liberação dos dados”, disse o deputado ACM Neto (PFL-BA). Em depoimento à CPI, em agosto, Duda afirmou ter recebido dinheiro de caixa 2 referente a campanhas petistas de 2002 em uma “offshore” - empresa em que os sócios não são identificados - chamada Dusseldorf, nas Bahamas. Depois disso foram descobertas outras contas do publicitário em Miami.

Mais matérias
desta edição