app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5732
Nacional

Governo tem plano contra gripe avi�ria

| AGÊNCIA BRASIL Brasília - O Ministério da Agricultura coloca em consulta pública, por três dias a partir de amanhã, segunda-feira, 20, o plano de prevenção da gripe aviária e da doença de Newcastle. A portaria nº 48, que define o plano, foi encaminhada

Por | Edição do dia 19/02/2006 - Matéria atualizada em 19/02/2006 às 00h00

| AGÊNCIA BRASIL Brasília - O Ministério da Agricultura coloca em consulta pública, por três dias a partir de amanhã, segunda-feira, 20, o plano de prevenção da gripe aviária e da doença de Newcastle. A portaria nº 48, que define o plano, foi encaminhada hoje para a publicação no Diário Oficial. O plano define as medidas de prevenção contra a doença que foram acordadas com o setor privado. Adesão voluntária O plano prevê que a adesão dos estados será voluntária. Segundo o coordenador de Sanidade Avícola do Ministério da Agricultura, Marcelo Motta, no momento em que aderirem ao plano, os estados terão que executar uma série de ações, orientadas pelo Ministério de Agricultura e que prevê uma série de medidas de prevenção e itens técnicos para os produtores. A idéia é que os estados cadastrem todas as suas propriedades rurais que desenvolvem avicultura, definam uma lista de veterinários que atuam na área e que emitem guias de trânsito animal, identifiquem os sítios de aves migratórias e façam o mapeamento da avicultura de subsistência. Fechar fronteiras A partir do momento em que atender às determinações do plano de prevenção, o Estado poderá fechar as suas fronteiras para as áreas que não estejam participando do programa de sanidade. Isso significa que o Estado que não tiver aderido ao programa não poderá mandar, a uma região vizinha, aves para o abate. Ele explicou que o plano não prevê restrições ao trânsito de aves para a reprodução porque os animais são originados de granjas certificadas, com acompanhamento de médico veterinário e condição sanitária diferenciada. Mais complexo Motta admitiu que o plano proposto pelo governo é mais complexo do que o que vinha sendo defendido pelo setor privado. Ele afirmou que poderia haver um impedimento jurídico para a restrição ao trânsito de animais. A saída encontrada pelo Ministério, para evitar tais problemas, segundo ele, foi determinar aos estados a adoção de uma série de ações para embasar cientificamente o plano de prevenção. “Não adianta fechar as fronteiras e isso ser encarado como se estivéssemos escondendo a doença”, disse. O plano, que foi negociado com a União Brasileira de Avicultura e com a Associação Brasileira dos Exportadores de Frango (Abief), prevê, conforme o coordenador, um prazo para os Estados adotarem as normas. Ele informou ainda que para a implantação do plano, o Brasil será dividido em regiões geopolíticas.

Mais matérias
desta edição