app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Nacional

Jos� Rainha � afastado da dire��o do MST

| Cristiano Machado Folhapress Presidente Prudente - O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) proibiu o coordenador José Rainha Jr., 45, de falar em nome da direção do movimento e de liderar qualquer tipo de ação com a participação de acampa

Por | Edição do dia 25/02/2006 - Matéria atualizada em 25/02/2006 às 00h00

| Cristiano Machado Folhapress Presidente Prudente - O Movimento dos Trabalhadores Rurais Sem Terra (MST) proibiu o coordenador José Rainha Jr., 45, de falar em nome da direção do movimento e de liderar qualquer tipo de ação com a participação de acampados ou assentados ligados à organização. Principal líder dos sem-terra no Pontal do Paranapanema (extremo oeste de São Paulo), o maior foco do conflito agrário no Estado, Rainha é acusado pela direção de “não cumprir determinações, normas e princípios do MST”. “As atitudes de Rainha causaram alguns problemas e transtornos ao movimento”, disse Delveck Matheus, da coordenação nacional do movimento. Matheus não quis entrar em detalhes sobre os motivos da punição. “O Rainha andou fazendo algumas negociações individuais e isoladas, o que contraria as normas do MST. O MST é um conjunto.” O racha entre Rainha e o MST vem desde o segundo semestre de 2005. Segundo a reportagem apurou, foram três os principais motivos para a punição. Um deles foi o abraço de Rainha no presidente Luiz Inácio Lula da Silva durante visita ao assentamento Lulão, em setembro passado, na Bahia, em meio a uma série de invasões de prédios públicos pelo País em protesto contra o governo. Segundo um integrante da direção estadual ouvido pela reportagem, o momento era de “cobrar, não de abraçar Lula”. E o MST condenou a criação de uma federação de assentados da região, organizada por Rainha sem a autorização das lideranças estaduais. O último motivo foi Rainha ter organizado invasões em “momentos impróprios”, na avaliação da direção. José Rainha disse que não comentaria a decisão.

Mais matérias
desta edição