app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Nacional

Estrangeira � presa em S�o Paulo

| RENATO SANTIAGO Folha Online Suspeita de envolvimento na morte do ex-primeiro-ministro do Líbano Rafik Hariri, a libanesa Rana Abdel Rahim Koleilat, 39, foi presa em São Paulo no domingo passado (12), após tentar subornar policiais. O Consulado do Lí

Por | Edição do dia 14/03/2006 - Matéria atualizada em 14/03/2006 às 00h00

| RENATO SANTIAGO Folha Online Suspeita de envolvimento na morte do ex-primeiro-ministro do Líbano Rafik Hariri, a libanesa Rana Abdel Rahim Koleilat, 39, foi presa em São Paulo no domingo passado (12), após tentar subornar policiais. O Consulado do Líbano em São Paulo informou a polícia que golpes supostamente aplicados por ela no sistema bancário do Líbano poderiam ter financiado o atentado que causou a morte de Hariri, ocorrida em fevereiro do ano passado. Um documento assinado pelo cônsul em São Paulo, Joseph Sayah, foi enviado à polícia. A Polícia Federal também entrou em contato com a Polícia Civil em São Paulo. “Uma comissão do Conselho de Segurança [da ONU] quer ouvi-la para saber se o dinheiro das fraudes ajudou a financiar o atentado”, disse o delegado Murilo Fonseca Roque, da SIG (Setor de Investigações Gerais), da 7ª Delegacia Seccional. Segundo a Secretaria de Estado da Segurança Pública, ela é acusada de falsificação de documentos, apropriação indébita de fundos, fraude e emissão de cheques sem fundos. Os golpes nos bancos libaneses teriam rendido US$ 4 milhões. Enquanto os policiais eram informados oficialmente sobre o caso, uma denúncia anônima apontava a presença da libanesa no País. Ela foi encontrada em um flat, na avenida Luís Dumont Villares, na zona norte de São Paulo. O pedido da Interpol não previa a prisão da mulher, mas apenas sua localização. “Ela acabou presa porque ofereceu dinheiro aos policiais que a encontraram”, afirma o delegado Roque. Koleilat teria até R$ 200 mil. Koleilat apresentou um passaporte britânico, o qual a polícia suspeita que seja falso. O documento tinha vistos do Egito, República Tcheca, China e Turquia, além de quatro carimbos brasileiros, com datas de 7 de abril de 2005, 7 de maio de 2005 e 2 de outubro do ano passado.

Mais matérias
desta edição