app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Opinião

Dia de reflex�o

185 anos. Idade respeitável, a ser comemorada amanhã por Alagoas. O aniversário, além dos tradicionais votos de parabéns, deve inspirar profundas reflexões sobre o futuro do Estado. Os 185 anos não traduzem toda a extensão da experiência vivida por essa

Por | Edição do dia 15/09/2002 - Matéria atualizada em 15/09/2002 às 00h00

185 anos. Idade respeitável, a ser comemorada amanhã por Alagoas. O aniversário, além dos tradicionais votos de parabéns, deve inspirar profundas reflexões sobre o futuro do Estado. Os 185 anos não traduzem toda a extensão da experiência vivida por essa terra, afinal, a presença das Alagoas na história do Brasil é anterior à oficialização dessa região como unidade autônoma, conquistada no dia 16 de setembro de 1817. Já no Século XVII, através do Quilombo dos Palmares, Alagoas figurava na vanguarda dos grandes acontecimentos no Novo Mundo. Quase ao mesmo tempo, foi palco e personagem privilegiado nos episódios que marcaram a tentativa de colonização holandesa e a guerra conseqüente. Esses episódios, incorporados à história das Américas, reafirmam a tradição dessas terras e dessa gente. O valor de Alagoas e de seu povo se constitui numa marca indelével na história que pode ser comprovada nos campos da política, da economia, das artes. Reconhecer e valorizar esses aspectos é uma obrigação do ser cidadão. Da mesma forma, é indispensável ao pleno exercício da cidadania distinguir os problemas que precisam de enfrentamento urgente para que o Estado possa almejar por um futuro mais alvissareiro, liberto das amarras do atraso econômico e pleno na realização dos potenciais de desenvolvimento dessa terra. Num passado recente, Alagoas manteve-se na linha de frente de busca de novas opções para o desenvolvimento, tentando implementar soluções no campo energético (quer seja no campo da tradicional indústria sucroalcooleira ou no ramo cloroquímico) e assumindo uma posição de liderança no segmento turístico nacional. Há cerca de quatro anos, Alagoas estagnou. De sua posição ousada ficaram a lembrança do passado e o sonho de um futuro melhor, sempre protelado. O Estado começou a dar passos para trás, perdendo oportunidades em instalação de novas indústrias, além de sofrer com a transferência para outras plagas de capitais e tecnologias aqui desenvolvidas. Da vanguarda no turismo, passou-se à retaguarda, entre outras mazelas. Nesta segunda-feira, Alagoas festeja aniversário chorando a pior das posições em relação aos índices sociais entre os Estados brasileiros. Amanhã, ao comemorar os 185 anos, o Estado deveria se presentear devolvendo a seu próprio povo a esperança de dias melhores, num futuro imediato e real, livre das vergonhas atuais e coerente com seu passado de luta e dignidade.

Mais matérias
desta edição