app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5709
Opinião

Aposentadoria e envelhecimento

.

Por MILTON HÊNIO. MÉDICO E INTEGRANTE DO CONSELHO ESTRATÉGICO DA ORGANIZAÇÃO ARNON DE MELLO | Edição do dia 16/11/2019 - Matéria atualizada em 16/11/2019 às 06h00

Depois de muita confusão, muitos debates e atritos, finalmente o discutido projeto da Previdência Social foi aprovado. Resta, meu caro amigo, esperar pela sua aposentadoria. Diz o Livro dos Provérbios: “Fazemos nossos planos, mas Deus tem a última palavra”. Caminhamos pela estrada da vida trabalhando sem cessar, esperando, após muitos anos de luta, uma aposentadoria condigna que nos possa manter no entardecer da vida. Nem todos conseguem esse privilégio. Segundo o IBGE, 76% dos aposentados brasileiros recebem uma minguada aposentadoria, e ainda ajudam na manutenção da família, filhos e netos. Não sobra nada, portanto, para o seu lazer. Assim mesmo valorizam cada dia de sua preciosa existência com paciência, alegria e bom humor. Uma das melhores dádivas da aposentadoria é que o tempo fica a sua disposição.

Às vezes o homem se aposenta com 50 ou 60 anos e fica em casa parado, só sentado assistindo televisão. Aí começa a entrar na “fossa”, ficando nervoso, aperreado com o barulho da casa e sem ter o que fazer, tornando-se às vezes um “chato” para a família. Na verdade o envelhecimento necessita de atividade. Atividade é vida. Está provado que atividade e longevidade guardam íntima relação de causas e efeito. A atividade mental e a atividade física igualam-se em seus efeitos benéficos. Temos que descobrir depois dos 60 anos o que podemos fazer e gostamos de fazê-lo. É impossível que uma pessoa não tenha gosto para nada. Trace um plano de vida de acordo com suas possibilidades e adapte-se às condições e circunstâncias, sem covardia. Descubra você mesmo o seu caminho e não permita que ninguém perturbe o seu sonho de longevidade, ativando seus neurônios, seus músculos, seus nervos e tonifique o seu coração. Há 56 anos quando eu me formei em medicina, o Brasil era tido como um país de jovens. Hoje os idosos já se destacam; somam mais de 38 milhões com mais de 60 anos. Por que isso? É que os idosos se conscientizaram do seu perfil na comunidade, do seu valor e começaram a valorizar suas vidas.

E passaram a viver mais e melhor, apesar dos pobres recursos de suas aposentadorias. Envelhecer em solidão é triste porque, na verdade, a mente e o espírito não envelhecem. Miguel Ângelo pintou suas maiores telas aos 80 anos e Charles Chaplin, o notável músico e teatrólogo escreveu sua famosa música Sorria aos 80 anos. Não desprezem os seus velhos aposentados, caros amigos. A Nação que é grandiosa deve preservar seus idosos como relíquias preciosas. Ser idoso é uma vitória. Você estar aposentado é uma grande conquista. Significa que você atravessou todas as barreiras e chegou lá. Diz o Salmo: “Na velhice darão frutos cheios de seiva e de verdade”. Que os nossos idosos aposentados sejam sempre felizes, convivendo com a natureza, respirando o ar puro, olhando despreocupado a beleza do luar, fazendo sua caminhada e recebendo a brisa do mar ou olhando as árvores do campo, e dizendo como na canção de Roberto Carlos: “Obrigado Senhor, por mais um dia”.

Mais matérias
desta edição