app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5750
Opinião

O real furado

Parece que a especulação preside o Brasil, ou melhor, reina de forma absoluta, fazendo o que bem quer, quando quer, como quiser. O dólar encerrou, ontem, mais um dia em alta, novamente alcançando R$ 3,78 por US$ 1. No horizonte, mais um vencimento de dí

Por | Edição do dia 27/09/2002 - Matéria atualizada em 27/09/2002 às 00h00

Parece que a especulação preside o Brasil, ou melhor, reina de forma absoluta, fazendo o que bem quer, quando quer, como quiser. O dólar encerrou, ontem, mais um dia em alta, novamente alcançando R$ 3,78 por US$ 1. No horizonte, mais um vencimento de dívidas. Na segunda e na terça-feira serão cobrados ao tesouro brasileiro mais 1,25 bilhão de dólares. Naturalmente, quanto mais alto estiver o dólar, mais reais serão dispendidos para saldar esses encargos. Os compromissos a vencer no começo da semana são referentes a dívidas cambiais e contratos na Bolsa de Mercadorias e Futuros. Na segunda-feira se poderá calcular o prejuízo tomado até a terça, pois o pagamento sempre é realizado com base na cotação do dólar no dia anterior. Até lá, já se sabe, o real continuará sendo empurrado para baixo, sem que o governo federal faça algo de eficiente para enfrentar a situação. Esta semana, a história foi a mesma, com outra dívida na casa do bilhão de dólares. A história se repete e nesse descer de ladeira, o real vai consolidando sua posição de inferioridade em relação ao peso. E até pouco tempo atrás o valor da moeda argentina, o peso, era tido como a referência para se mensurar a incompetência dos governos da vizinha Argentina. Piadas não faltaram sobre os portenhos. E agora? O que dizer da atuação da equipe econômica brasileira? A sangria desatada das riquezas brasileiras, aprofundada neste ocaso do duplo governo FHC, é algo que a cidadania brasileira precisa ter a devida consciência e procurar cobrar, desse mesmo governo em fim de mandato, ações mais efetivas em defesa dos interesses brasileiros. Afinal, essas contas – engordadas pela manipulação pura e simples da especulação financeira – são pagas pelo tesouro nacional, ou seja, por você. Sem dúvida, o processo de alta no mercado financeiro é composto por um conjunto de fatores e não bastaria a vontade dos especuladores para que esse quadro se estabelecesse. Entre os componentes responsáveis por tal estado de coisas deve ser listada a conivência do governo FHC. Essa responsabilidade não deve ser transferida para o processo eleitoral e deve ser cobrada, agora, aos atuais governantes.

Mais matérias
desta edição