app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 0
Opinião

UM PELOS OUTROS

Diante da morte do jovem de 14 anos no estádio de futebol na Bolívia, causada pelo disparo de um sinalizador que partiu da torcida corintiana, doze torcedores estão presos naquele país, sob acusação de autoria e cumplicidade. Aqui no Brasil, um adolescent

Por | Edição do dia 28/02/2013 - Matéria atualizada em 28/02/2013 às 00h00

Diante da morte do jovem de 14 anos no estádio de futebol na Bolívia, causada pelo disparo de um sinalizador que partiu da torcida corintiana, doze torcedores estão presos naquele país, sob acusação de autoria e cumplicidade. Aqui no Brasil, um adolescente de 17 anos se apresentou assumindo a culpa e dizendo ser dono dos outros sinalizadores encontrados numa mochila em meio à torcida. Um assumindo o dolo pelos outros. É difícil prejulgar quem está dizendo a verdade, mas ela pode muito bem ser uma boa jogada da defesa e uma driblada nas autoridades bolivianas, pois libertariam os presos no exterior e o julgamento do adolescente seria no Brasil. Seria um gol de placa! Este não é um caso único e específico onde um paga a conta pelos outros! Na realidade que nos cerca, é comum que alguém tenha que assumir o ônus, para que outros desfrutem do bônus; para que alguns desfrutem da liberdade, outros precisam pagar caro – geralmente o mais fraco e menor. Há 2.700 anos, o profeta Isaías escreveu um texto conhecido como O Servo Sofredor, ilustrando o mundo como um grande rebanho perdido e espalhado, onde cada um seguia seu próprio caminho, a perdição dominava e a morte estava próxima. O mesmo pecado que aparentemente trazia liberdade e satisfação, escravizava e as algemas eram piores do que estar preso no exterior. O Pai, preocupado com os filhos presos e envolvidos nesta condição, resolve mandar o Servo Sofredor (literalmente um bode expiatório), para que “caíssem sobre ele os pecados de todos nós” (Isaías 53.6). Esta não é a história só de torcedores no exterior, mas de todos os seres humanos que se encontram em débito com a justiça divina, afinal, “Não há um justo sequer” (Romanos 3.10). O resultado desta conta? Todos estão até o pescoço comprometidos! A história de Isaías se cumpriu sete séculos mais tarde, quando Deus enviou seu Filho ao mundo com uma única missão: assumir, sofrer e pagar pela culpa de toda humanidade. Um pelos outros. Embora a promessa e o sacrifício de Deus continuem válidas, muitos preferem ficar presos, algemados pelo pecado e condenados, ainda que tenham garantias de que sua sentença foi anulada pelo amor do próprio Deus – Juiz. Não, não é armação divina ou mal-intencionada, mas a única, única maneira de fazer-se cumprida sua Lei. Só Ele mesmo através de Jesus Cristo, o Servo Sofredor, para preencher todos os requisitos e garantir nossa liberdade e salvação. De que lado da cela você está? Deus quer tratar-te com cuidado especial (Salmo 4.3)!

Mais matérias
desta edição