app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5718
Opinião

Riscos ao turismo

Não poderia ser diferente. Já se constatam quedas no fluxo turístico causados por tropeços na sujeira pública. O Sindicato dos Guias Turísticos foi quem primeiro pôs a boca no mundo, reclamando da queda do número de visitantes a Maceió, e, de olhos e ouvi

Por | Edição do dia 02/03/2002 - Matéria atualizada em 02/03/2002 às 00h00

Não poderia ser diferente. Já se constatam quedas no fluxo turístico causados por tropeços na sujeira pública. O Sindicato dos Guias Turísticos foi quem primeiro pôs a boca no mundo, reclamando da queda do número de visitantes a Maceió, e, de olhos e ouvidos alertas, identificaram nas reclamações sobre o abandono da cidade uma das causas do declínio. Os números desse descenso precisam ser melhor definidos, mas é bom se prestar atenção na opinião dos guias turísticos, afinal são profissionais em contato direto com o turista, dispondo de todas as condições para aferir as menores mudanças no segmento. Antes mesmo de se encontrar o número exato da queda sentida na pele, é importante se conferir se a veracidade da suposta causa. E o fato é que a Capital alagoana está efetivamente mais suja, mais largada que em anos anteriores. Os buracos voltaram a cravejar o asfalto nas ruas de Maceió e o próprio viaduto do Poço, imponente e inconcluso, são marcas de um inegável desleixo. Mas o principal problema identificado pelo Sindicato dos Guias Turísticos estaria na sujeira nas praias, principal cartão postal das belezas alagoanas. Segundo profissionais do turismo, a poluição nas praias já passa a ser visível a olho nu, dispensando a análise da água em laboratórios. Em alguns dos trechos mais visitados da orla, o lixo cobre a areia nos fins de semana. São denúncias que exigem respostas. Não como contestação de debate, mas em ações práticas e urgentes, antes da próxima “alta estação”. Na verdade, a sujeira é um  grave problema, pois afasta um  turista já conquistado, que optou  por Alagoas, pois a constatação  da sujeira tem de ser feita in loco. É preciso vir, ver e voltar. E, no retorno, o prejuízo da cidade se multiplica, pois a decepção do turista passa a ser tema de conversa e propaganda negativa. O alerta do Sindicato dos Guias Turísticos está dado. Não é difícil verificar a procedência de suas afirmações, basta andar pelas ruas e passear pelas praias. Sem delongas, é hora do poder público agir.

Mais matérias
desta edição