app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Opinião

Para onde vai nosso planeta?

Há alguns meses, o mundo está sofrendo não somente as desgraças causadas pelos terríveis terremotos que acabaram com uma parte da Ásia – onde já morreram mais de 800.000 pessoas –, mas, também, com as numerosas vítimas da brutal erupção vulcânica do Chile

Por | Edição do dia 19/05/2015 - Matéria atualizada em 19/05/2015 às 00h00

Há alguns meses, o mundo está sofrendo não somente as desgraças causadas pelos terríveis terremotos que acabaram com uma parte da Ásia – onde já morreram mais de 800.000 pessoas –, mas, também, com as numerosas vítimas da brutal erupção vulcânica do Chile. Além de toda essa desgraça, ainda há um problema talvez pior: o afogamento de milhares de imigrantes nas águas traiçoeiras do Mar Mediterrâneo, em suas tentativas de fuga dos loucos terroristas do Iêmen que resolveram se apossar das terras da África e do Oriente Médio para implantar sua versão religiosa insana e assassina, fazendo com que os moradores dessas zonas que não concordam com eles migrem para o resto do mundo em condições desumanas. Atravessam os mares em balsas superlotadas que às vezes naufragam, ou ficam boiando durante dias, sobre as águas, sem alimentos e sem água para beber. Quase todos os países do mundo, por tratados combinados através da ONU, estão recebendo esses imigrantes, o que não é nada auspicioso. Há muitos que chegam por conta própria, em embarcações apinhadas de gente, descendo onde conseguem. Muitos, nem têm documentos, porém, no meio de tantos, se aproveitando da confusão, alguns terroristas das facções islâmicas podem, quem sabe, entrar para fazer o mal, pois o ideal deles é tomar conta do mundo. E já fizeram vítimas em países ocidentais. Aqui no Brasil estão recebendo cubanos, venezuelanos, paraguaios, fora gente do Congo. Dizem que os vizinhos vêm carregados de drogas e de suas ideias esquerdistas, bem ao gosto de nossa presidenta que, ao lado de Lula e do PT, não perdem as esperanças de implantar em nossa nação uma ditadura cubana. Como se não bastassem os problemas que sua gestão já nos está presenteando: inflação, impostos extorsivos, corrupção, educação desorganizada e uma violência cada dia pior!

Mais matérias
desta edição