app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Opinião

Hora do bom senso

Nos primeiros meses deste ano, Alagoas registrou significativa redução nos índices de criminalidade. Os homicídios tiveram queda de 24,3%, de janeiro a maio, em comparação com o mesmo período de 2014, e caíram ainda mais em Maceió: 33,8%. Num Estado que,

Por | Edição do dia 26/06/2015 - Matéria atualizada em 26/06/2015 às 00h00

Nos primeiros meses deste ano, Alagoas registrou significativa redução nos índices de criminalidade. Os homicídios tiveram queda de 24,3%, de janeiro a maio, em comparação com o mesmo período de 2014, e caíram ainda mais em Maceió: 33,8%. Num Estado que, nos últimos anos, assistiu atônito à escalada da violência, essa redução não deixa de ser motivo de júbilo, principalmente porque vem ocorrendo de forma consistente. O trabalho positivo feito no combate à criminalidade pode ser atribuído a fatores como a nova postura dos órgãos de segurança pública do Estado, ao disque-denúncia e, na ponta, à abnegação dos policiais, que também se beneficiam com o reconhecimento da população e a reabilitação da imagem das policiais. É preciso reconhecer, ainda, a escolha acertada do promotor de Justiça Alfredo Gaspar de Mendonça para comandar a Defesa Social. O secretário tem mostrado muito dinamismo, competência e disposição, inclusive para acompanhar de perto as ações. Agora, o impasse nas negociações do reajuste salarial levou policiais militares e bombeiros a deflagrar a chamada operação-padrão. Não se pode tirar a razão dos integrantes das duas corporações de reivindicar melhores salários e condições de trabalho. Além da relevante função que exercem, são pais de família que estão sentindo o efeito do aumento do custo de vida. Do outro lado, porém, o Estado se depara com a barreira da Lei de Responsabilidade Fiscal, que o impede de fazer contratações e conceder reajustes salariais maiores. Na busca de saídas, o governo reduziu cargos comissionados, cortou despesas e tem buscado elevar a arrecadação, mas ainda não obteve uma folga no orçamento. Nessa situação, é preciso bom senso dos dois lados. Os militares precisam reconhecer que o momento é de união para tirar o Estado da crise. Não se pode voltar à estaca zero, depois de todo o esforço feito até agora para dar mais segurança à sociedade alagoana. A repercussão seria negativa também para os próprios policiais. A PM precisa repensar essa decisão de iniciar a operação-padrão e manter o diálogo com o governo, que, por sua vez, também deve se esforçar mais para melhorar suas contas, a fim de poder contemplar os anseios de todo o funcionalismo. O momento é de manter as conquistas, não de perdê-las. Por isso, bom senso é fundamental.

Mais matérias
desta edição