app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Opinião

Aprender com o mundo

O Brasil está estruturando um programa de cooperação internacional nas áreas integradas de Ciência, Tecnologia e Inovação. Em viagens recentes aos Estados Unidos e Rússia e contatos com autoridades da Argentina, China, Coreia do Sul, México e União Europe

Por | Edição do dia 28/06/2015 - Matéria atualizada em 28/06/2015 às 00h00

O Brasil está estruturando um programa de cooperação internacional nas áreas integradas de Ciência, Tecnologia e Inovação. Em viagens recentes aos Estados Unidos e Rússia e contatos com autoridades da Argentina, China, Coreia do Sul, México e União Europeia, iniciamos novas ou reiteramos antigas tratativas com vistas à solução de problemas nacionais, como o baixo índice de inovação que ainda trava a indústria e o setor de serviços. País em desenvolvimento, o Brasil participa das agendas científicas da comunidade internacional ao mesmo tempo em que tem de forjar soluções para dificuldades que não afetam as nações mais desenvolvidas. É o caso de doenças tropicais para as quais precisamos criar vacinas, a exemplo da malária, mal de Chagas e leishmaniose. O progresso científico e tecnológico que almejamos apoia-se no intercâmbio internacional como uma via de mão dupla, sem nenhum viés colonialista, mas, do nosso ponto de vista, sempre atento à soberania e interesse nacionais. A História ensina que não existe ajuda neutra e que por trás dos idealistas dos laboratórios move-se o general comércio. Daí porque as palavras de ordem devem ser transferência conjunta de recursos e conhecimento e recusa a qualquer tipo de caixa-preta, sem esquecer, obviamente, experimentos duvidosos de que jamais seremos cobaias. Com os Estados Unidos, maior potência científica do planeta, o Brasil tem uma longa tradição de parcerias que passam ao largo de contradições geopolíticas. Se fomos, por muito tempo, um parceiro consumidor, agora, na globalização, impõe-se uma relação de cooperação e disputa – sobretudo na competição por mercados em que ganhamos terreno, como o de produtos agropecuários. Mas ainda temos o desafio de compartilhar o planejamento estratégico e, por isso, a inovação tecnológica terá destaque na agenda que a delegação brasileira, liderada pela presidente Dilma Rousseff, cumpre na próxima semana em centros de pesquisa americanos.

Mais matérias
desta edição