app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Opinião

Quando o diagn�stico n�o � precoce

O câncer, que já foi uma palavra associada à morte, está deixando para trás seu estigma. Há milhares de pessoas que venceram a luta contra os tumores malignos, graças aos importantes avanços da medicina, que desenvolvem tratamentos cada vez mais precisos

Por | Edição do dia 30/06/2015 - Matéria atualizada em 30/06/2015 às 00h00

O câncer, que já foi uma palavra associada à morte, está deixando para trás seu estigma. Há milhares de pessoas que venceram a luta contra os tumores malignos, graças aos importantes avanços da medicina, que desenvolvem tratamentos cada vez mais precisos e personalizados para cada tipo de tumor. Essas conquistas aconteceram não só para o câncer em fase inicial, mas também para os estágios mais avançados. Mesmo nos casos em que a cura não é mais possível, há tratamentos que permitem que os pacientes vivam por mais tempo e com qualidade de vida. Muito tem sido feito para aumentar a conscientização da importância do diagnóstico precoce, o que garante um número maior de pacientes curados. No caso do câncer de mama, é possível elevar as chances de cura para 95% quando o tumor é descoberto nas fases iniciais. Agora, é preciso intensificar o debate sobre o câncer avançado, realidade bem pouco conhecida, mas muito comum em nossa sociedade. Aproximadamente 50% das pacientes com câncer de mama do SUS descobrem a doença em estágio avançado. Entre as pacientes com câncer de mama já diagnosticado, estima-se que entre 20% a 30% progridam para o estágio metastático, segundo pesquisa do Grupo Brasileiro de Estudos do Câncer de Mama (GBECAM). Além disso, 70% de todas as mortes por câncer de mama acontecem em mulheres de países em desenvolvimento. Existem medicamentos que estão melhorando o prognóstico de uma mulher que convive com câncer de mama avançado, ajudando-as a viverem mais e melhor. Quando a luta é contra o tempo, precisamos de todo o arsenal disponível. Cada dia é mais tempo para a mulher estar com sua família. Cada ano é tempo para a medicina avançar mais. Apesar de a legislação brasileira prever o acesso universal igualitário à saúde, a realidade é um pouco diferente: há duas medicinas no Brasil, uma para o sistema público e outra para o privado. Pacientes do SUS não têm acesso aos mesmos tratamentos que os usuários de planos de saúde. Na prática, o acesso às importantes conquistas dos últimos 20 anos no tratamento contra o câncer de mama metastático é limitado para as pacientes que dependem do sistema público, que continuam sendo tratadas apenas com quimioterapia. Embora efetiva, há hoje tratamentos mais específicos que permitem que essas mulheres vivam por mais tempo e com menos efeitos colaterais. Por isso, precisamos da união de todos – médicos, pacientes, indústria e sociedade – para nos ajudar a trazer à tona as dificuldades das pacientes para que elas sejam assistidas pelas políticas do SUS. Dentre todas as incorporações do Ministério da Saúde nos últimos dois anos, nenhuma delas beneficiou as pacientes com câncer de mama metastático. Isso precisa mudar. Estas mulheres merecem mais atenção.

Mais matérias
desta edição