app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5730
Opinião

Estudar e aprender

Levantamento do Movimento Todos pela Educação revelou dados preocupantes sobre o desempenho dos estudantes brasileiros que concluem o ensino médio. De acordo com os dados, apenas 9,3% dos alunos absorveram o conteúdo essencial de matemática e 39% de portu

Por | Edição do dia 03/07/2015 - Matéria atualizada em 03/07/2015 às 00h00

Levantamento do Movimento Todos pela Educação revelou dados preocupantes sobre o desempenho dos estudantes brasileiros que concluem o ensino médio. De acordo com os dados, apenas 9,3% dos alunos absorveram o conteúdo essencial de matemática e 39% de português. No caso da matemática, o pior resultado foi obtido em Roraima: 2,7% (matemática), e o melhor no Distrito Federal (17%). Já em relação à língua portuguesa, novamente o DF se saiu melhor (40,2% dos estudantes), enquanto os piores resultados foram registrados no Maranhão (12,2%) e Alagoas (12,6%). Os índices mostram que o ensino médio necessita de uma atenção específica, mas é preciso também trabalhar as séries iniciais para que os estudantes de fato obtenham um nível satisfatório de aprendizagem. É fato que nos últimos 15 anos, a educação brasileira vem melhorando seus índices, mas ainda estamos muito aquém de países desenvolvidos. Observa-se também que a matemática é uma disciplina especialmente difícil de apresentar aos estudantes e relacionar seus conteúdos com o cotidiano do aluno. Por isso é fundamental a capacitação dos educadores, que devem não apenas dominar os conhecimentos específicos da disciplina, mas também ter o domínio de diferentes técnicas e formas de ensinar. A expansão do ensino fundamental para nove anos, que na maioria dos municípios significou antecipar a entrada das crianças na escola, foi um avanço importante e necessário para melhorar o desempenho escolar, principalmente dos que não tiveram acesso à educação infantil. Entretanto, outras políticas precisam ser garantidas para assegurar o direito à aprendizagem. A partir de 2016, a pré-escola será obrigatória, antecipando a obrigatoriedade do ingresso das crianças na escola em dois anos. Porém, como observa o movimento, é preciso definir qual será a base curricular para essa etapa, de tal forma que os anos adicionais de escolaridade se traduzam na melhoria da qualidade da educação. A necessidade de o País alcançar uma educação de qualidade para todos é consenso. Entretanto, para que isso aconteça, é preciso passar do discurso à prática e colocar a educação como prioridade. O duro ajuste econômico que o governo vem fazendo não pode comprometer esse processo de avanços, sob pena de travar nosso desenvolvimento.

Mais matérias
desta edição