app-icon

Baixe o nosso app Gazeta de Alagoas de graça!

Baixar
Nº 5735
Opinião

Al�, prefeitura!

Estou com 86 anos completos. E nessa jornada que vivi nunca havia visto, a olhos vistos, uma situação de abandono da coisa pública tão eloquentemente indisfarçável. É que há horas em que os referenciais de comparação desaparecem, deixando um quadro de des

Por | Edição do dia 23/07/2015 - Matéria atualizada em 23/07/2015 às 00h00

Estou com 86 anos completos. E nessa jornada que vivi nunca havia visto, a olhos vistos, uma situação de abandono da coisa pública tão eloquentemente indisfarçável. É que há horas em que os referenciais de comparação desaparecem, deixando um quadro de desolação só. E este aqui, que custei a acreditar quando vi, é único; singular e extraordinariamente estupefaciente. A que me refiro? O “Mirante de Santa Teresinha”, que fica ao longo da Rua Capitão Samuel Lins, no bairro do Farol, está literalmente entregue às baratas, aos ratos, aos traficantes e aos maus maceioenses. Nunca se viu tamanho abandono do Poder Público. A área pública que fica na encosta da citada rua, margeando a balaustrada, vem sendo transformada em depósito de lixo de toda espécie, atraindo a bandidagem e os consumidores de drogas. Isso em pleno bairro do Farol, num dos cartões postais mais belos da cidade! Por ali ficam o complexo do Cesmac, a Escola da Magistratura e o Clube de Engenharia, apenas para citar aquelas organizações, como não dizer?, mais compromissadas com a educação, com a lei e com a ordem. Gestores públicos sabem, ou deveriam saber, que existe uma íntima relação de causalidade entre desordem e criminalidade. Desde aquela famosa experiência dos dois carros idênticos abandonados em duas ruas distintas, de bairros igualmente distintos e de cidades também distintas dos EUA (pesquisem a respeito), ficou evidente para os cientistas que o desleixo e a desordem estão intimamente ligados à criminalidade, que se infiltra na comunidade e lhe causa, em pouco tempo, decadência e queda da qualidade de vida. A “Teoria das Janelas Quebradas” ficou tão evidenciada que vários mandatários famosos a implementaram com absoluto sucesso, como, por exemplo, o prefeito de Nova York, Rudolph Giuliani, que desde 1994 iniciou a transformação de bairros perigosos como o Bronx, em locais mais seguros para se viver. Era a política da “tolerância zero”, nada mais que o recrudescimento da “janelas quebradas”, sempre à base da ideia singela, mas certeira, de que é preciso cuidar dos espaços públicos para prevenir a proliferação da desordem e da criminalidade. Do combate às pequenas transgressões (lixo jogado no chão, pequenos furtos etc.), preveniu-se crimes mais nefastos e complexos, como o tráfico de drogas e de armas, roubos e homicídios. A situação de abandono do Mirante de Santa Teresinha deveria nos envergonhar a todos. E é revoltante que a Administração Municipal feche os olhos para tamanho desalinho, quando tantos impostos são pagos pelos munícipes que têm o direito, quando menos, de viver numa cidade limpa e sociável.

Mais matérias
desta edição